Como a análise de dados influi no desenvolvimento de empresas

Análise de dados

No quinto encontro do Open D’Or Talks, Fábio Andrade compartilhou suas duas décadas de expertise na gestão de informação da Rede D’Or São Luiz‍

No Open D’Or Talks da última sexta-feira (31/05), tivemos a ilustre presença de Fábio Andrade, Diretor de Inovação da Rede D´Or São Luiz (RDSL). Sob o tema “Precisamos falar sobre dados: como a Rede D’Or nasceu data driven”, o palestrante iniciou sua apresentação explicando a diferença entre os prodígios e as pessoas inconformadas. Para ele, em um primeiro momento, os prodígios configuram uma qualidade ideal por sua eficiência em determinadas tarefas, porém, são os inconformados aqueles realmente responsáveis pela inovação e transformação do mundo. Por serem observadores e críticos, os inconformados se tornam mais criativos na hora de solucionar problemas e mitigar de riscos. “A Rede D’Or é a empresa mais inconformada que eu já conheci. A gente sempre quer melhorar o que estamos fazendo”, declarou o palestrante, que na ocasião estava completando 21 anos de carreira na Rede.

Andrade é formado em análise de sistemas, com especialização em Business analytics. Durante a palestra, ele percorreu sua história junto à da RDSL, compartilhando toda a sua experiência na empresa. Desde a década de 1990, quando havia muita limitação e pouca variedade tecnológica em relação a softwares de análise de dados, até a sucessão de avanços digitais que corroboraram para o sistema atual da Rede. Segundo o palestrante, a Rede D’Or foi a primeira empresa a desenvolver para si uma solução de Big Data. Esse termo se refere ao grande número de dados computadorizados que geramos na atualidade, dados que são uma valiosa descoberta para empresas e para o marketing, mas cujo processamento representa um desafio de tempo para os aplicativos responsáveis por interpretá-los. Quando o termo Big Data sequer era utilizado para definir esse problema, cerca de 15 anos atrás, Andrade relata que a RDSL já era pioneira no desenvolvimento de uma “solução de BI da casa”, isto é, ela construiu dentro da empresa um sistema próprio de coleta, organização e análise de dados focado na gestão de negócios, também conhecido pelo nome de Inteligência Empresarial (BI, para a sigla em inglês de Business Intelligence).

Mas, o palestrante afirma que o avanço maior em relação à coleta de dados foi quando a área de BI da Rede passou a ser o segmento de gestão da informação da empresa. “Hoje, a receita e apuração do orçamento da companhia sai da área de gestão da informação. Somos nós que dizemos todo dia para os executivos como está a saúde da companhia e somos nós que fazemos o planejamento de compras da empresa”, declara Andrade, garantindo que foi essa transformação que possibilitou a centralização de dados na empresa, que configurou uma um alinhamento entre todas as unidades dos hospitais.

O palestrante também ressalta a importância do design no serviço, não por uma questão estética, mas pela otimização no uso dos dados. Na sua experiência desenvolvendo o trabalho na Rede, Andrade explica que o produto tem que trazer atenção aos detalhes, ser personalizado para o usuário, fácil de usar e trazer segurança para as informações. O produto de análise de dados que ele ajudou a desenvolver para a Rede D’Or conta hoje com 3.842 usuários e um crescimento de 17% em relação ao ano anterior. A versão mobile do aplicativo permite que os usuários e executivos vejam em tempo real como está a ocupação dos hospitais,os atendimentos de emergência e o volume de consultas, além de outros fluxos de informações operacionais e índices financeiros, possibilitando uma visão completa e transparente dos dados da empresa, que ficam agora à disposição dos gestores de forma simultânea e conectada por todos os braços da Rede D’Or São Luiz.

Fábio Andrade, que chegou a acompanhar pessoalmente o fluxo de emergência dos hospitais antes de planejar seu produto, retoma o raciocínio que trouxe no início da palestra, reiterando a importância de um olhar crítico para a melhoria de um serviço, além do foco naqueles que perpassam e que usufruem do atendimento nos hospitais. Em outras palavras, o palestrante defendeu que o segredo para a inovação e melhoria de uma empresa se dá a partir do perpétuo olhar dos inconformados, que estão sempre observando oportunidades de sofisticar um serviço ou produto.

Confira aqui a palestra completa.