Soluções reais para o ambiente hospitalar no Hacking.Rio 2019

equipe Arcanjo e monitores com o prêmio final do Hacking.Rio

Representando liderança em inovação e tecnologia na saúde, time vencedor do maior Hackathon da América Latina obteve monitoria da equipe Open D’Or e RDSL

No fim de semana passado, dias 18, 19 e 20 de outubro, o Rio de Janeiro reuniu estudantes e profissionais de diversas áreas para criarem soluções tecnológicas no Hacking.Rio. A competição é o maior Hackathon (maratona hacker) da América Latina e uniu durante 3 dias mais de 1.500 especialistas em inovação, tecnologia e empreendedorismo para produzir soluções reais em 14 setores – ou clusters – diferentes. As equipes vencedoras de cada cluster ganham R$1.500,00 para investir em suas soluções, e depois competem com os 13 clusters restantes pelo prêmio de R$15.000,00, troféu concedido à equipe vencedora de todo o Hacking.Rio.

Mentoreados pelo time do Open D’Or (IDOR) e pelo setor de Transformação Digital da Rede D’Or São Luiz (RDSL), a equipe Arcanjo, do cluster de Saúde, foi a grande vencedora da maratona, criando uma solução para melhorar a experiência em uma emergência pediátrica, conhecida por ser um processo cansativo para os pais e para a criança, devido todas as etapas de check in, triagem e preenchimento de documentos antes do eventual atendimento médico. Portanto, a equipe propôs a otimização desse processo através do uso de uma inteligência artificial (o Arcanjo), que seria conectado ao aplicativo Whatsapp e permitiria ao pai ou à mãe adiantar o processo de cadastro, preenchendo as documentações da criança e do responsável ainda no caminho para o hospital.

Além de acelerar o processo burocrático, o projeto Arcanjo também oferece uma funcionalidade de pré-triagem, onde os pais poderiam listar os sintomas da criança para análise da gravidade do quadro, informações que seriam compartilhadas com o médico e com o hospital, e que cederia prioridade na fila de triagem da emergência. “Na nossa solução, não existe a perda do contato humano. É fundamental ter alguém para de fato fazer a triagem da criança. A pré-triagem do Arcanjo só busca definir qual atendimento é mais urgente e compartilhar com o hospital os dados da emergência, otimizando fatores como o tempo dos profissionais e dos pacientes”, informa o representante da equipe vencedora, Adriano Henrique.

 

A equipe de Adriano, todos jovens de 20 a 30 anos, era formada por estudantes de engenharia da computação e de biomédica. Segundo o representante do Arcanjo, orientação recebida foi essencial para que eles pudessem produzir uma solução inovadora e aplicável, em apenas 42 horas de trabalho. “Eu sempre quis participar de uma competição de inovação, e na nossa equipe era a primeira experiência de todo mundo. Os mentores da Rede D’Or foram fundamentais para chegarmos à solução. Falamos com técnicos, médicos e especialistas em negócios; o que foi essencial para entregarmos um protótipo viável e que traz impacto de verdade, ao invés de ser só uma ‘ideia na cabeça’”, relata o estudante.

Time Open D’Or e RDSL compondo o Cluster de Saúde

Além do papel na orientação dos participantes, a equipe do Open D’Or e RDSL também criou desafios para a maratona e compuseram o júri dos clusters, e foi a empresa que tinha mais mentores participando do projeto. “ O Hacking.Rio é muito importante para posicionar a RDSL e o IDOR como uma empresa e instituto tecnológicos. O evento reúne grandes nomes da inovação e nós fazemos parte disto: nossos mentores da área de saúde foram inclusive consultados por profissionais de outros clusters, justamente por nossa experiência no universo digital e de transformação tecnológica”, relata Rodrigo Ferreira, gerente do setor de Transformação Digital da RDSL e mentor durante o Hacking.Rio.

Se você quer saber mais do que aconteceu no Hacking.Rio, o acompanhamento do evento está fixo no Instagram do IDOR (@idor_oficial), em nossos highlights. Na versão Desktop, você pode conferir clicando aqui.