A vacina BCG e a imunização contra o novo coronavírus

Mais pesquisas são necessárias para entender o papel  da vacina BCG contra o novo coronavírus.

 

Vacinações são importantes pois imitam patógenos e levam os linfócitos do nosso corpo – células envolvidas na proteção do organismo – a criarem memória para combater futuras exposições ao organismo ofensor. A vacina bacilo Calmette-Guérin (BCG) é utilizada para imunizar pessoas contra a tuberculose há quase 100 anos, doença que acomete os pulmões majoritariamente, e outros órgãos. A tuberculose é causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis e acomete todos os anos milhares de pessoas no Brasil e em outros países como Israel. 

Depois do início da pandemia, ao redor do mundo começou-se a investigar o que pode influenciar de modo negativo a Covid-19, doença desenvolvida a partir da contaminação pelo vírus Sars-CoV-2. Já se sabe que obesidade, diabetes e idade avançada são alguns dos fatores agravantes que levam à contaminação e ao desenvolvimento da doença que afeta principalmente os pulmões. Alguns pesquisadores observaram que países nos quais a BCG foi ou ainda é aplicada em função do risco da tuberculose a incidência da doença parecia menor. Baseados nesse achado, cientistas desenvolvem estudos para verificar se a BCG poderia ser utilizada para a imunização da população neste momento. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou uma nota no início de abril alertando a população de que não há comprovação científica sobre a efetividade da BCG contra a  em andamento. 

Recentemente, uma pesquisa publicada no Journal of the American Medical Association (JAMA) analisou exames de pacientes infectados pelo Sars-Cov-2 em Israel. Este país deixou de vacinar todos os recém-nascidos com a BCG desde 1982, o que permitiu que o estudo comparasse entre os atuais infectados pelo novo coronavírus aqueles que foram ou não vacinados com a BCG, verificando as diferenças entre ambos grupos na contaminação e no desenvolvimento de Covid-19. 

O resultado de testes RT-PCR de 5.933 pessoas foram analisados e a conclusão foi que não houve diferença significativa entre os grupos. Ou seja, imunizados contra a tuberculose e não imunizados tiveram taxa de contaminação por Sars-CoV-2 semelhante. Sobre a gravidade da doença, apenas um paciente em cada grupo desenvolveu o quadro grave, por isso é impossível comparar os grupos nesse quesito.

Outras pesquisas estão em andamento para entender se a BCG pode influenciar positivamente na manifestação da Covid-19, sendo via não-desenvolvimento dos sintomas ou através da melhora dos quadros graves, que muitas vezes levam à morte. Por isso, podemos parar de comemorar o fato de ter a BCG em nosso calendário de vacinação. E, enquanto a vacina não chega, o melhor a se fazer é ficar em casa, para quem pode, e sempre que for necessário sair, vestir a máscara.

 

Escrito por Luiza Mugnol Ugarte

Veja também