Cuidados de pacientes com Covid-19 sob ventilação mecânica

Pesquisadores ressaltam que o fornecimento de cuidados críticos para estes pacientes devem basear-se em evidências.

A pandemia traz diferentes desafios para equipes médicas que tratam pacientes com Covid-19 que estão em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). No Brasil, onde os recursos são limitados, os desafios podem ser ainda maiores. Foi sobre este tema que o Dr. Jorge Salluh, médico intensivista e pesquisador do IDOR, e seus colegas desenvolveram um estudo, publicado recentemente na Revista The Lancet.

Sabe-se que o sistema de saúde brasileiro está sobrecarregado desde que a epidemia chegou ao país, e mesmo que a capacidade dos leitos de UTI tenha aumentado em muitos hospitais, profissionais podem ter treinamento insuficiente para atender às demandas de pacientes internados em estado grave. Na publicação, ressalta-se que a implementação de protocolos de atendimento e a adesão aos princípios de cuidados básicos é importante para o cuidado a pacientes sob ventilação mecânica.

As medidas preventivas são colocadas como essenciais durante a pandemia, como a profilaxia – medidas que previnem ou atenuam doenças – do tromboembolismo venoso (TEV) em pacientes que apresentem estados hipercoaguláveis, pois são propensos à trombose vascular, em decorrência da Covid-19. Os autores também ressaltam que a higiene das mãos e o uso de máscaras continuam sendo medidas fundamentais para proteger pacientes e funcionários de infecções originadas nos hospitais.

Eles também sinalizam a importância de combinar a implementação de protocolo baseado em evidências com o atendimento multidisciplinar, ação que mostra evidências associadas a melhores resultados e menor tempo de permanência no hospital para pacientes sob ventilação mecânica. Isso permite que não seja necessário aumentar o número de leitos de UTI, pois o menor tempo de permanência permite maior circulação nos leitos hospitalares.

Não há, até o momento, tratamento eficaz para a síndrome respiratória aguda grave (SRAG), condição que pode ser causado nos piores quadros da Covid-19. Por isso, o tratamento se baseia em terapias avançadas de apoio às funções dos órgãos humanos enquanto o sistema imunológico controla e elimina a infecção viral. Por fim, os autores afirmam que o foco de atendimento deve ser na aplicação cuidadosa de estratégias baseadas em evidências de melhora da SDRA das últimas três décadas.

Por Luiza Mugnol Ugarte

Quer receber as notícias do IDOR pelo WhatsApp? Clique aqui, salve o nosso número e mande uma mensagem com seu nome completo. Para cancelar, basta pedir!

Veja também