Embora o coronavírus não indique grandes riscos ao país, cientistas brasileiros já organizam estudos sobre a doença

Conversamos sobre o coronavírus com o pesquisador Fernando Bozza, membro do comitê executivo do ISARIC, consórcio internacional para controle de epidemias globais.

Ainda na semana passada (30/01), a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou emergência de saúde pública global quanto ao novo coronavírus (2019-nCoV). Concomitantemente, os casos suspeitos no Brasil seguem ganhando destaque em veículos informativos televisivos, online e impressos. Mas, haverá mesmo razão para alarme nacional? O médico e pesquisador especialista em doenças infecciosas, Fernando Bozza, acredita que não, embora não negue que possa ocorrer casos de infecção no país. Segundo ele, o hemisfério norte está em uma situação mais preocupante por se encontrar no inverno, período de maior transmissão de doenças respiratórias; mas, o Brasil e outros países da América Latina não estão em grande risco no momento e, mesmo que a doença atinja o país, não temos como estimar se sua extensão será igual ao que ocorre na Ásia. 

Contudo, o que pode configurar um certo alívio imediato para a população não deixa de ser preocupante para a comunidade científica brasileira, que já está buscando soluções para o controle e prevenção dessa epidemia. O cientista ressalta que a declaração de emergência global pela OMS não visa limitar viagens e comércio, e sim reforçar o apoio internacional para acelerar o desenvolvimento de pesquisas que ajudem a prevenir e a tratar a doença, além de frisar a necessidade de combate à desinformação. Se a opinião do pesquisador ainda deixa insegurança frente à competição de notícias alarmistas da mídia, vale destacar que além de pesquisador da Fiocruz e do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), Dr. Bozza também foi eleito no ano passado como um dos 7 membros do comitê executivo do Consórcio Internacional de Infecções Respiratórias Agudas, Graves e Emergentes, ou ISARIC, de acordo com suas iniciais em inglês. 

O ISARIC é uma iniciativa internacional aliada à OMS, cujo objetivo é disponibilizar acesso aberto para que pesquisadores clínicos no mundo todo possam compartilhar informações e facilitar uma resposta rápida a epidemias e doenças emergentes, reduzindo seus danos e evitando seu alastramento pelos países. O consórcio reúne mais de 40 redes envolvidas em pesquisas relacionadas a surtos de doenças como a gripe H1N1, zika, ebola e SARS — outro tipo de coronavírus que também configurou um quadro epidêmico na China, 20 anos atrás. Este consórcio vem desenvolvendo diversas iniciativas voltadas para o melhor entendimento do novo coronavírus, bem como o desenvolvimento de novos tratamentos. 

O pesquisador revela, porém, o que os holofotes dos jornais estão perdendo de noticiar, que é o esforço nacional engajado neste cenário. Na Rede D’Or São Luiz já estão sendo divulgados para profissionais da saúde protocolos de identificação, diagnóstico e manejo de suspeitas do coronavírus, enquanto cientistas de diversas instituições brasileiras unem forças para adiantar protocolos com apoio de órgãos como a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep). “A epidemia de  H1N1 e principalmente de zika no Brasil foram determinantes para que a comunidade científica, os órgãos de controle e as instituições governamentais agissem com maturidade e agilidade frente a novas epidemias. No país, estamos muito mobilizados e em ação conjunta contra uma epidemia que pode nem ocorrer por aqui. O que não tira a importância desse esforço que parte de todas as frentes e que é de interesse mundial”, afirma Fernando Bozza.

Situações epidêmicas como esta ressaltam a necessidade de apoiar e divulgar a importância da pesquisa científica no país, além de dar força para que as instituições estejam sempre em cooperação frente a ameaças cada vez mais compartilhadas em um mundo globalizado.

Veja também