Projeção de casos confirmados de COVID-19 até o dia 26/03

O IDOR, Fiocruz e PUC-Rio estão em ação conjunta no NOIS – Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde. O grupo realizou um estudo estatístico que fez uma projeção de casos do novo coronavírus (COVID-19) no país até o dia 26 de Março. Principalmente nos estados de SP e RJ. O último balanço do Ministério da Saúde contabilizava, no dia 20/03, 621 infectados em todo o Brasil, havendo casos mais expressivos em SP (286) e RJ (65). O estudo o qual fizemos parte projeta o crescimento dos casos nos dois estados.

O Estado de SP reportou o primeiro caso nacional, confirmado no dia 26/02. Seguindo o crescimento do coronavírus em diversos outros países, o estudo projeta que em 26/03 o estado esteja com cerca 2.550 casos, podendo variar entre 1.573 e 3.380 casos, considerando cenários mais otimistas ou pessimistas.

No estado do RJ, os atuais 65 casos podem variar entre 278 e 596 casos até o dia 26/03, atingindo uma média de 490 casos para o fim deste mês.

Para fazer esse levante, o estudo considerou a progressão do COVID-19 em diversos outros países, entre eles China, Itália, Coreia do Sul, Irã, EUA, França, Alemanha e Espanha. A progressão de casos variou bastante de acordo com as medidas de contenção adotadas em cada país.

Na Itália, país com um dos crescimentos mais acelerados do #coronavírus, a primeira medida de contenção do governo só foi implementada quando já somavam mais de 3.000 casos no país. Já na Coreia do Sul, uma reação mais rápida do país resultou em um crescimento menos acelerado de casos. Com apenas 16 casos, houve proibição da entrada de pessoas vindas de Hubei, na China; e com cerca de 100 casos o governo pediu para a população não sair de casa, salvo em grande necessidade.

O estudo, que considera cenários do pessimista ao otimista, supõe um crescimento exponencial do #coronavírus no Brasil, ainda este mês. Assim sendo, as melhores formas contenção precisam do engajamento de todos, respeitando o distanciamento social, a limpeza das mãos e a redução de exposição a aglomerações. Nos próximos dias disponibilizaremos notas técnicas e atualizações do estudo sobre as novas  projeções.

Escrito por Maria Eduarda Ledo