O hormônio estrogênio pode ajudar homens a se curarem de COVID-19?

Mulheres são menos suscetíveis ao novo coronavírus. Estudos buscam descobrir se a administração de hormônios femininos como estrogênio pode ajudar homens infectados.

 

É visto que mulheres são menos suscetíveis a infecções virais com base em uma imunidade inata, devido a hormônios esteróides e fatores relacionados aos cromossomos sexuais. E isso vem se mostrando verdade também na COVID-19. Dados mostram que homens são mais propensos do que mulheres a adquirir COVID‐19 e desenvolver uma doença mais grave. Mas será que essa diferença se deve aos hormônios femininos? É o que sugere um artigo que compara resultados em modelo animal.

Pela reprodução transmitimos nossos genes aos descendentes, mas antes herdamos genes dos ascendentes. Nossos genes, entre 20 e 25 mil, são fundamentais para a hereditariedade. O ECA2 (ACE2 em inglês), gene que foi descoberto em 2000, codifica uma enzima envolvida no funcionamento do Sistema Renina-Angiotensina, com papel central na regulação da pressão arterial sistêmica e da função renal. Sabemos agora que esta enzima, presente na superfície de diferentes tipos de células de nosso organismo, é também receptor para os coronavírus SARS, NL63 e SARS-CoV-2.

O novo coronavírus entra nas células por meio da proteína transmembrana (atravessa a membrana da célula de um lado a outro) spike que se liga à enzima ECA2. Desta forma, o aumento da expressão desse gene, com o consequente aumento destes receptores,  poderia intensificar a chance de infecção e até mesmo influenciar na gravidade da COVID-19. Mas não é o que se observa na prática.

Estudos recentes descobriram que a expressão do gene ECA2 era maior nos tecidos de mulheres e adultos jovens, uma correlação inversa à gravidade da doença. É interessante ver que, na verdade, a ECA2 tem efeito protetor em vários órgãos. Nota-se também que sua expressão é aumentada pelo estrogênio – hormônio produzido em altas quantidades pelas fêmeas – o que é bem registrado em modelo animal. A expressão aumentada pelo estrógeno pode ser um fator protetor para a infecção por SARS‐CoV‐2.

Estes dados indicam mais uma possibilidade de estudos para verificar se há algum benefício em se tratar homens com a COVID-19 com estrogênio. Vale aqui lembrar que, em experimentos com animais, o estrógeno “silencia” as reações inflamatórias, o que culmina em taxa de sobrevivência mais alta. Por isso, a proposta de utilizar estrógenos para promover a prevenção ou mesmo tratar a infecção vem recebendo atenção.

 

Escrito por Luiza Mugnol Ugarte

Veja também