array(57) { ["SERVER_SOFTWARE"]=> string(6) "Apache" ["REQUEST_URI"]=> string(30) "/instituto/idorcuidado-fragil/" ["PHP_PATH"]=> string(24) "/opt/bitnami/php/bin/php" ["FREETDSLOCALES"]=> string(0) "" ["FREETDSCONF"]=> string(0) "" ["OPENSSL_ENGINES"]=> string(31) "/opt/bitnami/common/lib/engines" ["OPENSSL_CONF"]=> string(39) "/opt/bitnami/common/openssl/openssl.cnf" ["SSL_CERT_FILE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["CURL_CA_BUNDLE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["LDAPCONF"]=> string(42) "/opt/bitnami/common/etc/openldap/ldap.conf" ["GS_LIB"]=> string(43) "/opt/bitnami/common/share/ghostscript/fonts" ["MAGICK_CODER_MODULE_PATH"]=> string(60) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/modules-Q16/coders" ["MAGICK_CONFIGURE_PATH"]=> string(73) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/config-Q16:/opt/bitnami/common/" ["MAGICK_HOME"]=> string(19) "/opt/bitnami/common" ["PATH"]=> string(260) "/opt/bitnami/apps/wordpress/bin:/opt/bitnami/varnish/bin:/opt/bitnami/sqlite/bin:/opt/bitnami/php/bin:/opt/bitnami/mysql/bin:/opt/bitnami/letsencrypt/:/opt/bitnami/apache2/bin:/opt/bitnami/common/bin:/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin" ["USER"]=> string(6) "daemon" ["HOME"]=> string(9) "/usr/sbin" ["SCRIPT_NAME"]=> string(10) "/index.php" ["QUERY_STRING"]=> string(0) "" ["REQUEST_METHOD"]=> string(3) "GET" ["SERVER_PROTOCOL"]=> string(8) "HTTP/1.0" ["GATEWAY_INTERFACE"]=> string(7) "CGI/1.1" ["REDIRECT_URL"]=> string(30) "/instituto/idorcuidado-fragil/" ["REMOTE_PORT"]=> string(5) "11944" ["SCRIPT_FILENAME"]=> string(44) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs/index.php" ["SERVER_ADMIN"]=> string(15) "you@example.com" ["CONTEXT_DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["CONTEXT_PREFIX"]=> string(0) "" ["REQUEST_SCHEME"]=> string(4) "http" ["DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["REMOTE_ADDR"]=> string(13) "15.229.25.218" ["SERVER_PORT"]=> string(2) "80" ["SERVER_ADDR"]=> string(13) "172.26.13.183" ["SERVER_NAME"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SERVER_SIGNATURE"]=> string(0) "" ["LD_LIBRARY_PATH"]=> string(410) "/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/varnish/lib:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish/vmods:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/common/lib64" ["HTTP_ACCEPT_ENCODING"]=> string(7) "br,gzip" ["HTTP_VIA"]=> string(64) "1.1 4e4f8ee4f88ce6711f13846e91140c60.cloudfront.net (CloudFront)" ["HTTP_X_AMZ_CF_ID"]=> string(56) "4xrUtfrzlw_IoC0TSH1OFwjNbShKk3JZ6-mJZPD9XXfuAD1x26dlXg==" ["HTTP_USER_AGENT"]=> string(17) "Amazon CloudFront" ["HTTP_X_AMZN_TRACE_ID"]=> string(40) "Root=1-62fd9e9d-0e7a8afd53eda98f0727551a" ["HTTP_X_FORWARDED_PORT"]=> string(2) "80" ["HTTP_CONNECTION"]=> string(5) "close" ["HTTP_X_FORWARDED_PROTO"]=> string(4) "http" ["HTTP_X_FORWARDED_FOR"]=> string(40) "3.239.4.127, 64.252.69.51, 10.247.45.173" ["HTTP_X_REAL_IP"]=> string(13) "10.247.45.173" ["HTTP_X_FORWARDED_HOST"]=> string(25) "www.rededorsaoluiz.com.br" ["HTTP_HOST"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SCRIPT_URI"]=> string(50) "http://54.225.48.228/instituto/idorcuidado-fragil/" ["SCRIPT_URL"]=> string(30) "/instituto/idorcuidado-fragil/" ["REDIRECT_STATUS"]=> string(3) "200" ["REDIRECT_SCRIPT_URI"]=> string(50) "http://54.225.48.228/instituto/idorcuidado-fragil/" ["REDIRECT_SCRIPT_URL"]=> string(30) "/instituto/idorcuidado-fragil/" ["FCGI_ROLE"]=> string(9) "RESPONDER" ["PHP_SELF"]=> string(10) "/index.php" ["REQUEST_TIME_FLOAT"]=> float(1660788382.0379) ["REQUEST_TIME"]=> int(1660788382) }

Cuidado: frágil

Cuidado: frágil

Estudo transpõe o conceito de fragilidade, originado da geriatria, para nortear oatendimento a pacientes em unidades de terapia intensiva.

O planejamento de cuidados aos pacientes internados em unidades de terapia intensiva (UTIs) requer estratégia. Por isso, é fundamental que se olhe não apenas para o estado atual dos pacientes, mas também se faça uma avaliação mais completa do seu histórico e funcionalidade – é o que indica estudo recém-publicado de pesquisadores brasileiros e norte-americanos. Os autores usaram uma escala de fragilidade para avaliar riscos nos pacientes internados em UTIs.

O conceito de fragilidade surgiu na geriatria, e buscava, inicialmente, atuar como um indicador de vulnerabilidade das pessoas idosas, em função de como seu organismo tem enfrentado o envelhecimento, autonomia para as atividades do dia-a-dia e doenças associadas. Recentemente, alguns estudos começaram, de forma tímida, a estender as classificações de fragilidade ao contexto de pacientes de qualquer idade internados em UTIs.

Na maior pesquisa do gênero já realizada, cientistas do projeto Orchestra – acrônimo, em inglês, para Características Organizacionais em Cuidados Intensivos – avaliaram dados referentes à internação de quase 130 mil pacientes em 93 UTIs brasileiras de hospitais públicos ou privados. No estudo, 31% dos pacientes foram considerados não-frágeis, 50%, pré-frágeis e 19%, frágeis. A análise de desfechos da internação revelou que pacientes mais frágeis ficaram mais tempo no hospital e morreram mais do que os dos outros dois grupos.

Outro resultado importante da pesquisa é a constatação de que, além de terem pior prognóstico, os pacientes considerados frágeis também receberam mais procedimentos de suporte orgânico, como ventilação mecânica, diálise e transfusão de sangue, entre outros. “Apesar de receberem o tratamento mais intenso, os pacientes frágeis morrem com maior frequência”, destaca o médico intensivista Jorge Salluh, pesquisador do IDOR e um dos autores do estudo. “Mas o fato de não responderem aos tratamentos não significa que devemos deixar de tratar o paciente frágil. Pelo contrário, entender o risco permite planejar as abordagens de cada paciente para conduzir um tratamento mais individualizado, ajustando as intervenções às necessidades e ao potencial de resposta ao tratamento de cada caso, sempre que possível reduzindo mortalidade e tempo de internação, entre outras complicações. Mas também tendo mais elementos para o entendimento do prognóstico que nos permita uma avaliação de expectativas realistas com pacientes, familiares e equipe de saúde.”

Segundo os pesquisadores do Orchestra, a fragilidade pode ser uma medida para tornar ainda mais precisa a classificação de risco dos pacientes graves e orientar a conduta médica. Com a escala de fragilidade em mente, será possível avaliar, caso a caso, se é melhor realizar procedimentos invasivos – o que expõe o paciente a riscos – ou pensar em estratégias de prevenção, por exemplo.

Trocando em miúdos, a proposta dos autores traz uma nova perspectiva sobre a avaliação de risco nos pacientes graves. “Em vez de olharmos apenas a condição atual do paciente – por exemplo, se ele possui um quadro de insuficiência cardíaca, se usa suporte respiratório, se tem doenças associadas etc. –, decidimos investigar aspectos que antecedem a internação e explorar como eles nos ajudam a entender o desfecho clínico”, explica Salluh. O artigo foi publicado na edição de setembro da revista Intensive Care Medicine, e foi encabeçado pelo médico intensivista e pesquisador associado ao Orchestra Fernando Zampieri.

Marcio Soares, médico intensivista, pesquisador do IDOR e líder do estudo, ressalta que a compreensão de conceitos como a fragilidade e suas implicações se faz cada vez mais necessária para o planejamento do sistema público de saúde no novo cenário demográfico do Brasil, cuja população vem envelhecendo. “Sob a ótica do paciente, é importante personalizar o tratamento de acordo com suas características clinicas, tendo em mãos a avaliação de risco em cada caso. Do ponto de vista de saúde pública, tal tipo de avaliação permite planejar melhor os recursos utilizados para o tratamento e a reabilitação dessas pessoas”, finaliza Soares.

?

06.09.2018

Conteúdo Relacionado