array(57) { ["SERVER_SOFTWARE"]=> string(6) "Apache" ["REQUEST_URI"]=> string(51) "/instituto/idordesafios-da-patologia-contemporanea/" ["PHP_PATH"]=> string(24) "/opt/bitnami/php/bin/php" ["FREETDSLOCALES"]=> string(0) "" ["FREETDSCONF"]=> string(0) "" ["OPENSSL_ENGINES"]=> string(31) "/opt/bitnami/common/lib/engines" ["OPENSSL_CONF"]=> string(39) "/opt/bitnami/common/openssl/openssl.cnf" ["SSL_CERT_FILE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["CURL_CA_BUNDLE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["LDAPCONF"]=> string(42) "/opt/bitnami/common/etc/openldap/ldap.conf" ["GS_LIB"]=> string(43) "/opt/bitnami/common/share/ghostscript/fonts" ["MAGICK_CODER_MODULE_PATH"]=> string(60) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/modules-Q16/coders" ["MAGICK_CONFIGURE_PATH"]=> string(73) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/config-Q16:/opt/bitnami/common/" ["MAGICK_HOME"]=> string(19) "/opt/bitnami/common" ["PATH"]=> string(260) "/opt/bitnami/apps/wordpress/bin:/opt/bitnami/varnish/bin:/opt/bitnami/sqlite/bin:/opt/bitnami/php/bin:/opt/bitnami/mysql/bin:/opt/bitnami/letsencrypt/:/opt/bitnami/apache2/bin:/opt/bitnami/common/bin:/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin" ["USER"]=> string(6) "daemon" ["HOME"]=> string(9) "/usr/sbin" ["SCRIPT_NAME"]=> string(10) "/index.php" ["QUERY_STRING"]=> string(0) "" ["REQUEST_METHOD"]=> string(3) "GET" ["SERVER_PROTOCOL"]=> string(8) "HTTP/1.0" ["GATEWAY_INTERFACE"]=> string(7) "CGI/1.1" ["REDIRECT_URL"]=> string(51) "/instituto/idordesafios-da-patologia-contemporanea/" ["REMOTE_PORT"]=> string(5) "64059" ["SCRIPT_FILENAME"]=> string(44) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs/index.php" ["SERVER_ADMIN"]=> string(15) "you@example.com" ["CONTEXT_DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["CONTEXT_PREFIX"]=> string(0) "" ["REQUEST_SCHEME"]=> string(4) "http" ["DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["REMOTE_ADDR"]=> string(14) "18.230.193.191" ["SERVER_PORT"]=> string(2) "80" ["SERVER_ADDR"]=> string(13) "172.26.13.183" ["SERVER_NAME"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SERVER_SIGNATURE"]=> string(0) "" ["LD_LIBRARY_PATH"]=> string(410) "/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/varnish/lib:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish/vmods:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/common/lib64" ["HTTP_ACCEPT_ENCODING"]=> string(7) "br,gzip" ["HTTP_VIA"]=> string(64) "1.1 613a9db04d23967014b7c42269dc1c12.cloudfront.net (CloudFront)" ["HTTP_X_AMZ_CF_ID"]=> string(56) "K2cJIorXkdAbxKM0S6xoxhd6jvfwVbpzmBlIypiDzzquITbBRHZLhg==" ["HTTP_USER_AGENT"]=> string(17) "Amazon CloudFront" ["HTTP_X_AMZN_TRACE_ID"]=> string(40) "Root=1-62fd9717-235ffe9b527db774181ed7a3" ["HTTP_X_FORWARDED_PORT"]=> string(2) "80" ["HTTP_CONNECTION"]=> string(5) "close" ["HTTP_X_FORWARDED_PROTO"]=> string(4) "http" ["HTTP_X_FORWARDED_FOR"]=> string(41) "3.239.4.127, 64.252.66.221, 10.247.46.214" ["HTTP_X_REAL_IP"]=> string(13) "10.247.46.214" ["HTTP_X_FORWARDED_HOST"]=> string(25) "www.rededorsaoluiz.com.br" ["HTTP_HOST"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SCRIPT_URI"]=> string(71) "http://54.225.48.228/instituto/idordesafios-da-patologia-contemporanea/" ["SCRIPT_URL"]=> string(51) "/instituto/idordesafios-da-patologia-contemporanea/" ["REDIRECT_STATUS"]=> string(3) "200" ["REDIRECT_SCRIPT_URI"]=> string(71) "http://54.225.48.228/instituto/idordesafios-da-patologia-contemporanea/" ["REDIRECT_SCRIPT_URL"]=> string(51) "/instituto/idordesafios-da-patologia-contemporanea/" ["FCGI_ROLE"]=> string(9) "RESPONDER" ["PHP_SELF"]=> string(10) "/index.php" ["REQUEST_TIME_FLOAT"]=> float(1660786455.379) ["REQUEST_TIME"]=> int(1660786455) }

Desafios da patologia contemporânea

Desafios da patologia contemporânea

Diretor de Anatomia Patológica da Rede D’Or falou sobre a importância de conjugar o conhecimento tradicional e já consolidado às modernas técnicas da biologia molecular no atendimento do paciente com câncer.

Uma das especialidades mais tradicionais da medicina, a patologia, no início, tinha como foco principal o estudo dos cadáveres para compreender o funcionamento e as disfunções dos órgãos humanos. No século 20, porém, primeiro com o advento da microscopia eletrônica e depois com a biologia molecular, a disciplina precisou se reinventar. Hoje, tem papel fundamental, por exemplo, na identificação de tumores malignos e nas decisões sobre o melhor tratamento dos pacientes. “Nunca foi tão bom ser patologista”, confessou Fernando Augusto Soares, diretor de Anatomia Patológica da Rede D’Or São Luiz e professor titular da Universidade de São Paulo, em palestra no Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) na última quinta-feira (25/10). “Muito diferente do que era 35 anos atrás, hoje, o patologista tem uma participação grande na melhora do paciente”, afirmou.

Soares contou que, da observação dos órgãos, o foco da patologia se deslocou para a célula, com a observação de tecidos ao microscópio, e, em seguida, para componentes moleculares como as proteínas, utilizadas como marcadores para uma série de doenças, inclusive os cânceres. A utilização de técnicas como imunofluorescência e imunohistoquímica reduziu a subjetividade que havia na interpretação das imagens morfológicas e permitiu abordagens terapêuticas mais precisas. Para o palestrante, a patologia não perdeu sua essência tradicional – em suas palavras, “meio arte, meio ciência”, de olhar um padrão histológico e em poucos segundos identificar a doença –, mas ganhou novas ferramentas para complementá-la.

Uma dessas ferramentas é a utilização de biomarcadores, como proteínas que ajudam a classificar, por exemplo, tipos específicos de tumor. O grupo de pesquisa de Soares descreveu uma série de biomarcadores para cânceres de cabeça e pescoço, e busca aplicações práticas para esse conhecimento, como auxiliar os oncologistas nas decisões terapêuticas. “O que queremos é um teste que ajude a determinar a melhor terapia para aquele paciente”, ressalta, explicando que o desenvolvimento de biomarcadores como testes diagnósticos, indicadores prognósticos ou como fatores preditivos à resposta terapêutica está entre as atuais prioridades de pesquisa em patologia.

Essa nova abordagem leva, também, a novos desafios, especialmente no que Soares descreveu como a “transformação de doenças frequentes em doenças raras”, uma vez que se conhece muito bem a particularidade de cada tumor e se pode observar que, embora tenham características gerais em comum, os casos – e as terapias – podem diferir enormemente. “Esse cenário faz com que o patologista esteja cada vez mais na interface investigação-aplicação”, argumentou.

Fernando Soares em palestra no IDOR

Abordagem translacional e formação profissional

Soares destacou também como a patologia pode, hoje, estar no centro de uma mudança na maneira como encaramos a aplicação do conhecimento científico na prática médica. Para isso, citou como exemplo a abordagem do adenocarcinoma de pulmão, tipo de câncer que mais mata no Brasil. Por muito tempo, havia pouco o que o patologista pudesse fazer em relação à doença; hoje, porém, com a biologia molecular, o profissional da área pode identificar o tipo de mutação genética que deu origem ao tumor e, assim, ajuda a encontrar a melhor terapia para cada caso.

Transformações como essa acontecem, na prática, quando se consegue estreitar a relação entre os profissionais que atuam nos hospitais ou clínicas e aqueles que estão nos laboratórios de pesquisa. Nesse sentido, o palestrante ressaltou a importância das pesquisas translacionais, cuja preocupação maior é levar o conhecimento obtido nos laboratórios até o atendimento direto dos pacientes, nos hospitais e clínicas especializadas. “Como patologista, não vejo possibilidade de desenvolvimento da medicina sem o tripé assistência, pesquisa e ensino”, assegurou, enfatizando que a interação entre médicos de diferentes especialidades e cientistas básicos, bem como a formação de novos profissionais nesse novo modelo de trabalho, é o que fará a medicina avançar. “A integração entre cientistas e o corpo assistencial é fundamental para que passemos a ter perguntas e projetos focados em translação”, apostou.

Essa nova perspectiva da atuação do patologista requer, também, mudanças na formação dos futuros especialistas da área. “Para a nova geração assimilar isso tudo, a gente precisa ensinar patologia de uma forma diferente”, argumentou. “O treinamento de patologistas em formação deve incluir um amplo conhecimento das moléculas de interesse, da genômica até a estrutura proteica, para evitarmos que a nova geração seja reprodutora de testes sem ter ideia do que está testando”.

O palestrante também acredita que é necessário ensinar os futuros patologistas a trabalharem em times multidisciplinares. “Não se pode ensinar, nem aprender, patologia sem a integração de múltiplas ciências, tanto biológicas como em administração e informática”.

?

26.10.2018

Conteúdo Relacionado