Dexametasona e outros esteroides se mostram eficazes no tratamento de casos graves da  Covid-19

A dexametasona foi testada em milhares de pacientes em estado grave em decorrência do coronavírus em um estudo controlado e randomizado, proporcionando uma redução na mortalidade.

A dexametasona é um corticosteroide antiinflamatório usado no tratamento de diversas doenças como reumatismo, doenças da pele, asma, doença pulmonar obstrutiva crônica, edema cerebral, entre outras. Mas ela também parece ajudar pessoas acometidas por Covid-19 que estão em estado grave, segundo estudo realizado no Reino Unido, onde encontraram que houve diminuição do número de mortes em até ⅓ com o tratamento com dexametasona em pacientes graves, necessitando de suporte ventilatório.

O estudo foi publicado no dia 16 de junho na revista medRxiv como pré-print – artigo científico que não foi divulgado em um periódico científico com revisão por pares, pessoas que trabalham em áreas afins ao tema do artigo. Também as revistas da Universidade de Oxford e Nature publicaram artigos sobre o estudo. O estudo foi relatado como randomizado e controlado; o primeiro termo remete à escolha de participantes de forma aleatória, o segundo significa que foi usado um grupo controle, que não recebeu a medicação, para que os resultados pudessem ser comparados.

No estudo, 2100 participantes receberam o fármaco em uma dose baixa à moderada durante 10 dias, enquanto 4300 receberam outras formas de tratamento. O resultado da administração da dexametasona foi efetivo entre pacientes muito graves que estavam entubados com suporte ventilatório pela insuficiência respiratória. Também houve diminuição de 20% das mortes para aqueles que recebiam oxigênio, sem ventilação mecânica. Para quem estava em estado menos grave, o remédio não fez efeito.

Apesar do estudo não ter encontrado efeitos adversos no tratamento com dexametasona, a Organização Mundial da Saúde chama a atenção para o tratamento com esteroides. Tais drogas  suprimem o sistema imune, o que pode trazer algum alívio para os pulmões em situações de resposta inflamatória excessiva, o que se costuma observar em casos graves da Covid-19. Entretanto, estes pacientes necessitam do sistema imune funcionando por inteiro para se livrar do vírus Sars-CoV-2. Apesar disso, o estudo indica que nas doses testadas, os benefícios do tratamento com a dexametasona se sobrepõem ao seu potencial prejuízo.

Aproximadamente 15% dos pacientes com Covid-19 apresenta quadro de pneumonia grave; parte destes evoluem para a Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e tem outras complicações cujas taxas de mortalidade são altas. A partir dos dados destes estudos, a corticoterapia vem sendo adotada no cuidado destes pacientes. 

Escrito por Luiza Mugnol Ugarte

Quer receber as notícias do IDOR pelo WhatsApp? Clique aqui, salve o nosso número e mande uma mensagem com seu nome completo. Para cancelar, basta pedir!

Veja também