Síndrome de Kawasaki em crianças infectadas pelo novo coronavírus

Crianças infectadas pelo Sars-CoV-2 podem desenvolver vasculite aguda.

O alerta agora é prestar atenção em mudanças na saúde corporal de crianças que apresentam ou não os sintomas da Covid-19. A doença de Kawasaki, que tem como um dos sintomas o aparecimento do chamado “rash cutâneo”, que são erupções da pele, além de lesões e placas avermelhadas, pode ocorrer em crianças contaminadas pelo novo coronavírus Sars-CoV-2. Essa doença pode ocorrer em crianças de todas as idades e se caracteriza por vasculite – inflamação dos vasos sanguíneos – aguda. E, além do problema ser difícil de diagnóstico, se o tratamento não for administrado no início da doença, graves danos cardiovasculares têm até 25% de chance de se desenvolverem, o que pode posteriormente levar a infarto agudo do miocárdio e morte súbita.

Devido ao esforço de isolamento durante a pandemia, o número de atendimentos feitos na emergência pediátrica diminuiu nos Estados Unidos. Em decorrência disso, pesquisadores do Children National Hospital publicaram no Journal of Pediatrics uma nota para cuidadores das crianças que estão isoladas. O grupo lembra que se deve prestar atenção aos sintomas, mesmo que leves, para que a síndrome não se alastre para casos mais graves. A nota alerta que o diagnóstico precoce da doença de Kawasaki e o tratamento, simples, com um anticorpo intravenoso chamado imunoglobulina, previne o inchaço arterial que é chamado de aneurisma coronário.

Os sintomas típicos de Covid-19 não se apresentam nessas crianças. elas apresentam algumas características como febre prolongada, principalmente aquelas com menos de 1 ano de idade; dor abdominal, que pode ser acompanhada de vômito e diarréia; e manchas avermelhadas na pele. Outros sintomas não tão comuns incluem olhos vermelhos, lábios secos, língua dolorida, mãos e pés inchados, além de músculos doloridos e falta de vontade para caminhar. 

O grupo de pesquisadores traz na publicação alertas para cuidadores prestarem atenção quando há suspeita ou diagnóstico definitivo da doença de Kawasaki. Dentre os alertas, estão a necessidade de ecocardiogramas; no caso de atraso no diagnóstico, consultar especialistas nessa doença e cardiologistas. Também indicam que o sistema de saúde ofereça serviços de telemedicina, ecocardiograma remoto, e visitas no local que permitam comunicação não-verbal, enquanto se avalia a criança com suspeita ou confirmação do diagnóstico da síndrome, desenvolvida após contaminação pelo novo coronavírus.

Por fim, apesar de todas as características em comum com a doença de Kawasaki, é importante ressaltar que pesquisadores ainda não entendem bem como se desenvolvem as características da doença que sucede a contaminação. Alguns acreditam que a doença nas crianças é específica, única. Não se encontrou ainda predisposição aos sintomas devido a condições prévias, ou seja, determinado estado de saúde não está relacionado ao desenvolvimento dessa doença em crianças. A boa notícia é que as características são fáceis de se identificar, devido aos contundentes sintomas.

Escrito por Luiza Mugnol Ugarte

Quer receber as notícias do IDOR pelo WhatsApp?
Clique aqui, salve o nosso número e nos mande uma mensagem com seu nome completo.
E para cancelar, basta pedir!

Veja também