array(64) { ["SERVER_SOFTWARE"]=> string(6) "Apache" ["REQUEST_URI"]=> string(144) "/instituto/idorestudo-analisa-o-uso-da-ressonancia-magnetica-com-contraste-para-quantificar-a-funcao-hepatica-em-pacientes-com-cirrose-hepatica/" ["PHP_PATH"]=> string(24) "/opt/bitnami/php/bin/php" ["FREETDSLOCALES"]=> string(0) "" ["FREETDSCONF"]=> string(0) "" ["OPENSSL_ENGINES"]=> string(31) "/opt/bitnami/common/lib/engines" ["OPENSSL_CONF"]=> string(39) "/opt/bitnami/common/openssl/openssl.cnf" ["SSL_CERT_FILE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["CURL_CA_BUNDLE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["LDAPCONF"]=> string(42) "/opt/bitnami/common/etc/openldap/ldap.conf" ["GS_LIB"]=> string(43) "/opt/bitnami/common/share/ghostscript/fonts" ["MAGICK_CODER_MODULE_PATH"]=> string(60) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/modules-Q16/coders" ["MAGICK_CONFIGURE_PATH"]=> string(73) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/config-Q16:/opt/bitnami/common/" ["MAGICK_HOME"]=> string(19) "/opt/bitnami/common" ["PATH"]=> string(260) "/opt/bitnami/apps/wordpress/bin:/opt/bitnami/varnish/bin:/opt/bitnami/sqlite/bin:/opt/bitnami/php/bin:/opt/bitnami/mysql/bin:/opt/bitnami/letsencrypt/:/opt/bitnami/apache2/bin:/opt/bitnami/common/bin:/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin" ["USER"]=> string(6) "daemon" ["HOME"]=> string(9) "/usr/sbin" ["SCRIPT_NAME"]=> string(10) "/index.php" ["QUERY_STRING"]=> string(0) "" ["REQUEST_METHOD"]=> string(3) "GET" ["SERVER_PROTOCOL"]=> string(8) "HTTP/1.0" ["GATEWAY_INTERFACE"]=> string(7) "CGI/1.1" ["REDIRECT_URL"]=> string(144) "/instituto/idorestudo-analisa-o-uso-da-ressonancia-magnetica-com-contraste-para-quantificar-a-funcao-hepatica-em-pacientes-com-cirrose-hepatica/" ["REMOTE_PORT"]=> string(5) "36166" ["SCRIPT_FILENAME"]=> string(44) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs/index.php" ["SERVER_ADMIN"]=> string(15) "[email protected]" ["CONTEXT_DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["CONTEXT_PREFIX"]=> string(0) "" ["REQUEST_SCHEME"]=> string(4) "http" ["DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["REMOTE_ADDR"]=> string(13) "18.228.86.237" ["SERVER_PORT"]=> string(2) "80" ["SERVER_ADDR"]=> string(11) "172.26.1.14" ["SERVER_NAME"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SERVER_SIGNATURE"]=> string(0) "" ["LD_LIBRARY_PATH"]=> string(410) "/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/varnish/lib:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish/vmods:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/common/lib64" ["HTTP_CDN_LOOP"]=> string(10) "cloudflare" ["HTTP_CF_CONNECTING_IP"]=> string(12) "3.226.72.194" ["HTTP_IF_MODIFIED_SINCE"]=> string(29) "Sat, 24 Feb 2024 18:55:26 GMT" ["HTTP_ACCEPT_LANGUAGE"]=> string(14) "en-US,en;q=0.5" ["HTTP_ACCEPT"]=> string(63) "text/html,application/xhtml+xml,application/xml;q=0.9,*/*;q=0.8" ["HTTP_USER_AGENT"]=> string(40) "CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)" ["HTTP_CF_VISITOR"]=> string(22) "{\"scheme\":\"https\"}" ["HTTP_CF_RAY"]=> string(20) "8a71bb0e299981b1-GRU" ["HTTP_ACCEPT_ENCODING"]=> string(8) "gzip, br" ["HTTP_CF_IPCOUNTRY"]=> string(2) "US" ["HTTP_TRUE_CLIENT_IP"]=> string(12) "3.226.72.194" ["HTTP_X_AMZN_TRACE_ID"]=> string(40) "Root=1-669e0aca-2423eeed6ff62a386c5b777d" ["HTTP_X_FORWARDED_PORT"]=> string(3) "443" ["HTTP_CONNECTION"]=> string(5) "close" ["HTTP_X_FORWARDED_PROTO"]=> string(4) "http" ["HTTP_X_FORWARDED_FOR"]=> string(41) "3.226.72.194, 172.68.19.57, 10.247.46.155" ["HTTP_X_REAL_IP"]=> string(13) "10.247.46.155" ["HTTP_X_FORWARDED_HOST"]=> string(25) "www.rededorsaoluiz.com.br" ["HTTP_HOST"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SCRIPT_URI"]=> string(164) "http://54.225.48.228/instituto/idorestudo-analisa-o-uso-da-ressonancia-magnetica-com-contraste-para-quantificar-a-funcao-hepatica-em-pacientes-com-cirrose-hepatica/" ["SCRIPT_URL"]=> string(144) "/instituto/idorestudo-analisa-o-uso-da-ressonancia-magnetica-com-contraste-para-quantificar-a-funcao-hepatica-em-pacientes-com-cirrose-hepatica/" ["REDIRECT_STATUS"]=> string(3) "200" ["REDIRECT_SCRIPT_URI"]=> string(164) "http://54.225.48.228/instituto/idorestudo-analisa-o-uso-da-ressonancia-magnetica-com-contraste-para-quantificar-a-funcao-hepatica-em-pacientes-com-cirrose-hepatica/" ["REDIRECT_SCRIPT_URL"]=> string(144) "/instituto/idorestudo-analisa-o-uso-da-ressonancia-magnetica-com-contraste-para-quantificar-a-funcao-hepatica-em-pacientes-com-cirrose-hepatica/" ["FCGI_ROLE"]=> string(9) "RESPONDER" ["PHP_SELF"]=> string(10) "/index.php" ["REQUEST_TIME_FLOAT"]=> float(1721633482.5608) ["REQUEST_TIME"]=> int(1721633482) }

Estudo analisa o uso da ressonância magnética com contraste para quantificar a função hepática em pacientes com cirrose hepática

O estudo realizou um comparativo entre a nova técnica e os principais índices de classificação funcional da doença

Estudo analisa o uso da ressonância magnética com contraste para quantificar a função hepática em pacientes com cirrose hepática

O estudo realizou um comparativo entre a nova técnica e os principais índices de classificação funcional da doença

Um estudo publicado na revista científica European Radiology que contou com a participação de pesquisadores do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Instituto de Estudos de Saúde Coletiva da UFRJ, utilizou o exame de ressonância magnética com ácido gadoxético, um contraste hepatobiliar que é captado células do fígado (hepatócitos), para avaliação da função hepática em pacientes com cirrose. Os pesquisadores compararam os resultados obtidos nos exames com os índices observados nos demais indicadores para a identificação da cirrose e classificação da gravidade da doença.

A cirrose hepática é uma das principais causas de morte em todo o mundo. “A cirrose se caracteriza uma alteração estrutural do fígado associada ao desenvolvimento de fibrose. Em estágios mais avançados da doença, observa-se alteração da função do fígado, além do desenvolvimento de complicações, como ascite, encefalopatia, hemorragia digestiva”, informa a Dra. Renata Perez, coordenadora do estudo e pesquisadora do IDOR.

A avaliação da função hepática na cirrose é de extrema importância pois está diretamente relacionada ao risco de complicações e de morte. Essa avaliação costuma ser realizada com base em critérios clínicos e laboratoriais, como é feito no Escore Child-Pugh e no Escore MELD (do inglês, Model for End-stage Liver Disease), usados na determinação da gravidade da doença no fígado. No entanto, há espaço para um marcador específico não-invasivo nestas avaliações.

“Em fase mais avançada, torna-se fundamental estimar o grau de insuficiência hepática, e a RNM com ácido gadoxético pode contribuir para avaliação da gravidade da doença hepática”, complementa. A RNM utilizando o ácido gadoxético pode se tornar um importante método para estimar a função hepática, sendo o índice de realce relativo (REI) um dos mais precisos. Os autores do estudo informam que o REI foi escolhido pois utiliza a intensidade do sinal do fígado durante a ressonância na fase pré-contraste e na fase intracelular (hepatobiliar), ajustada ao volume hepático. O volume do fígado precisa ser considerado no cálculo da função hepática por sua relação com a quantidade de hepatócitos.

O estudo contou com 60 pacientes diagnosticados com cirrose hepática com base nos exames clínicos, laboratório e de imagem. Todos os pacientes realizaram, com um intervalo de 2 semanas, o exame de ressonância magnética com ácido gadoxético, com a medição do REI, e teste de depuração de verde indocianina. As amostras de sangue foram coletadas para análise em laboratório no mesmo dia do teste do verde indocianina para calcular os escores de Child-Pugh e MELD.

Dentre os pacientes, 48% apresentaram hepatite C como causa mais frequente para a cirrose. O estudo envolveu um grupo de 60 pacientes composto por 20 pacientes Child A, 20 Child B e 20 Child C, sendo este último grupo com pacientes mais graves.

Os pesquisadores observaram correlações entre REI e a função hepática quantificada pelos escores Child-Pugh e MELD e taxa de depuração do verde indocianina. Quando realizaram a investigação específica em cada classe de Child-Pugh, a correlação entre REI e teste do verde indocianina foi fraca apenas entre os pacientes com Child-Pugh C. Os pesquisadores sugerem que esse achado pode estar relacionado a ocorrência de shunts portossistêmicos, observados na cirrose hepática e mais frequentes em pacientes com doença hepática grave.

Além disso, a ressonância com o auxílio de REI foi bem-sucedido em diferenciar grupos de função hepática boa e ruim. Valores de REI abaixo de 73 indicam disfunção hepática grave, valores entre 73-135 indicam a disfunção hepática moderada, valores de REI > 135 indicam função hepática preservada.

Apesar do limitado número de pacientes, o estudo se mostra promissor considerando que tem uma boa representação para cada grupo do escore Child-Pugh. Vale destacar que ainda apresenta uma quantidade de pacientes do grupo Child-Pugh C relevante em comparação a outros estudos. Os autores demonstram boa correlação entre os resultados da ressonância medido por REI e outros parâmetros usados para avaliar a função hepática. O REI permite a classificação de pacientes cirróticos e pode ser utilizado como informação adicional na avaliação de rotina de pacientes submetidos à ressonância magnética com utilização do contraste ácido gadoxético.

Escrito por Manuelly Gomes
Supervisão: Dr. Claudio Ferrari

02.06.2023

Conteúdo Relacionado
Fale com a gente.