array(57) { ["SERVER_SOFTWARE"]=> string(6) "Apache" ["REQUEST_URI"]=> string(48) "/instituto/idorisso-e-musica-para-o-meu-cerebro/" ["PHP_PATH"]=> string(24) "/opt/bitnami/php/bin/php" ["FREETDSLOCALES"]=> string(0) "" ["FREETDSCONF"]=> string(0) "" ["OPENSSL_ENGINES"]=> string(31) "/opt/bitnami/common/lib/engines" ["OPENSSL_CONF"]=> string(39) "/opt/bitnami/common/openssl/openssl.cnf" ["SSL_CERT_FILE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["CURL_CA_BUNDLE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["LDAPCONF"]=> string(42) "/opt/bitnami/common/etc/openldap/ldap.conf" ["GS_LIB"]=> string(43) "/opt/bitnami/common/share/ghostscript/fonts" ["MAGICK_CODER_MODULE_PATH"]=> string(60) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/modules-Q16/coders" ["MAGICK_CONFIGURE_PATH"]=> string(73) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/config-Q16:/opt/bitnami/common/" ["MAGICK_HOME"]=> string(19) "/opt/bitnami/common" ["PATH"]=> string(260) "/opt/bitnami/apps/wordpress/bin:/opt/bitnami/varnish/bin:/opt/bitnami/sqlite/bin:/opt/bitnami/php/bin:/opt/bitnami/mysql/bin:/opt/bitnami/letsencrypt/:/opt/bitnami/apache2/bin:/opt/bitnami/common/bin:/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin" ["USER"]=> string(6) "daemon" ["HOME"]=> string(9) "/usr/sbin" ["SCRIPT_NAME"]=> string(10) "/index.php" ["QUERY_STRING"]=> string(0) "" ["REQUEST_METHOD"]=> string(3) "GET" ["SERVER_PROTOCOL"]=> string(8) "HTTP/1.0" ["GATEWAY_INTERFACE"]=> string(7) "CGI/1.1" ["REDIRECT_URL"]=> string(48) "/instituto/idorisso-e-musica-para-o-meu-cerebro/" ["REMOTE_PORT"]=> string(5) "37497" ["SCRIPT_FILENAME"]=> string(44) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs/index.php" ["SERVER_ADMIN"]=> string(15) "you@example.com" ["CONTEXT_DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["CONTEXT_PREFIX"]=> string(0) "" ["REQUEST_SCHEME"]=> string(4) "http" ["DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["REMOTE_ADDR"]=> string(13) "15.229.25.218" ["SERVER_PORT"]=> string(2) "80" ["SERVER_ADDR"]=> string(13) "172.26.13.183" ["SERVER_NAME"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SERVER_SIGNATURE"]=> string(0) "" ["LD_LIBRARY_PATH"]=> string(410) "/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/varnish/lib:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish/vmods:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/common/lib64" ["HTTP_ACCEPT_ENCODING"]=> string(7) "br,gzip" ["HTTP_VIA"]=> string(64) "1.1 e93e34046c3a3d7fb416e8e0d71d2ff2.cloudfront.net (CloudFront)" ["HTTP_X_AMZ_CF_ID"]=> string(56) "yM5-RteH0i_6enLpPC0TQoDRAVmLWAbV6_fzh9_oW6WU6fwConbbAQ==" ["HTTP_USER_AGENT"]=> string(17) "Amazon CloudFront" ["HTTP_X_AMZN_TRACE_ID"]=> string(40) "Root=1-62f06cdf-17e93ab81588a1006530821b" ["HTTP_X_FORWARDED_PORT"]=> string(2) "80" ["HTTP_CONNECTION"]=> string(5) "close" ["HTTP_X_FORWARDED_PROTO"]=> string(4) "http" ["HTTP_X_FORWARDED_FOR"]=> string(43) "44.197.230.180, 64.252.67.246, 10.247.46.44" ["HTTP_X_REAL_IP"]=> string(12) "10.247.46.44" ["HTTP_X_FORWARDED_HOST"]=> string(25) "www.rededorsaoluiz.com.br" ["HTTP_HOST"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SCRIPT_URI"]=> string(68) "http://54.225.48.228/instituto/idorisso-e-musica-para-o-meu-cerebro/" ["SCRIPT_URL"]=> string(48) "/instituto/idorisso-e-musica-para-o-meu-cerebro/" ["REDIRECT_STATUS"]=> string(3) "200" ["REDIRECT_SCRIPT_URI"]=> string(68) "http://54.225.48.228/instituto/idorisso-e-musica-para-o-meu-cerebro/" ["REDIRECT_SCRIPT_URL"]=> string(48) "/instituto/idorisso-e-musica-para-o-meu-cerebro/" ["FCGI_ROLE"]=> string(9) "RESPONDER" ["PHP_SELF"]=> string(10) "/index.php" ["REQUEST_TIME_FLOAT"]=> float(1659923679.34) ["REQUEST_TIME"]=> int(1659923679) }

Isso é música para o meu… cérebro!

Isso é música para o meu… cérebro!

Parece ficção científica, mas ler pensamentos pode estar mais perto da
realidade do que a maioria das pessoas imagina. Um estudo realizado no
Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino usou uma máquina de ressonância magnética
para, a partir da atividade cerebral de voluntários de pesquisa, descobrir que
música estava na cabeça deles. O trabalho contribuiu para o aperfeiçoamento da
técnica que, no futuro, pode ter aplicações em estudos sobre imaginações
auditivas e vozes internas, além do desenvolvimento de tecnologias que permitam
comunicação com pessoas que não podem falar nem se mexer, por exemplo.

O experimento foi feito com seis voluntários e consistiu no seguinte:
primeiro, os participantes ouviam trechos de 40 músicas de vários estilos –
clássica, rock, pop, jazz, entre outros. Enquanto isso, o aparelho de
ressonância magnética monitorava sua atividade cerebral e um computador ia
aprendendo a identificar padrões de atividades geradas por cada trecho de
música escutado, levando em consideração aspectos sonoros como tonalidade,
dinâmica, ritmo e timbre.

Depois disso, o esperado era que o computador fosse capaz de fazer o
caminho inverso, isto é, a partir da observação das atividades cerebrais, identificar
que músicas os participantes ouviam. Chegou a hora de colocar a hipótese à
prova. Na segunda etapa do experimento, os participantes escutavam a música e,
levando em consideração as imagens geradas pela ressonância, o computador
deveria apontar, entre duas opções, que música estava sendo ouvida. A taxa de
acerto foi de até 85%.

Animados pelos bons resultados, os pesquisadores decidiram, então,
aumentar o nível de dificuldade do teste. Assim, o computador deveria escolher
não entre duas, mas entre dez opções diferentes de música – das quais apenas
uma estava sendo ouvida pelo voluntário de pesquisa. Taxa de acerto? Cerca de
74%. Nada mal! Os resultados foram publicados hoje (2/2) na Scientific Reports.

No futuro, espera-se que trabalhos como este ajudem os cientistas na
busca de soluções de comunicação que não dependam da linguagem escrita ou
falada. “Poderemos apenas imaginar uma canção, e o equipamento transcreverá seu
conteúdo”, sugere o neurocientista Sebastian Hoefle, pesquisador do Instituto
D’Or e um dos autores do trabalho, desenvolvido em parceria com pesquisadores
da Alemanha, da Finlândia e da Índia.

Segundo ele, essa área de estudo, chamada decodificação cerebral, abre
muitas outras portas para a ciência entender o funcionamento do cérebro humano
e interagir com ele usando máquinas. As perguntas a responder, claro, são
inúmeras. “Que características de uma música fazem com que uma pessoa a ame, e
outra, nem tanto? Será que nosso cérebro é adaptado para gostar de determinadas
características musicais, em detrimento de outras?”, exemplifica Hoefle.

?

(créditos da imagem: Karl-Erik Bennion/FreeImages.com)

02.02.2018

Conteúdo Relacionado