array(57) { ["SERVER_SOFTWARE"]=> string(6) "Apache" ["REQUEST_URI"]=> string(49) "/instituto/idorolhar-critico-sobre-a-mortalidade/" ["PHP_PATH"]=> string(24) "/opt/bitnami/php/bin/php" ["FREETDSLOCALES"]=> string(0) "" ["FREETDSCONF"]=> string(0) "" ["OPENSSL_ENGINES"]=> string(31) "/opt/bitnami/common/lib/engines" ["OPENSSL_CONF"]=> string(39) "/opt/bitnami/common/openssl/openssl.cnf" ["SSL_CERT_FILE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["CURL_CA_BUNDLE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["LDAPCONF"]=> string(42) "/opt/bitnami/common/etc/openldap/ldap.conf" ["GS_LIB"]=> string(43) "/opt/bitnami/common/share/ghostscript/fonts" ["MAGICK_CODER_MODULE_PATH"]=> string(60) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/modules-Q16/coders" ["MAGICK_CONFIGURE_PATH"]=> string(73) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/config-Q16:/opt/bitnami/common/" ["MAGICK_HOME"]=> string(19) "/opt/bitnami/common" ["PATH"]=> string(260) "/opt/bitnami/apps/wordpress/bin:/opt/bitnami/varnish/bin:/opt/bitnami/sqlite/bin:/opt/bitnami/php/bin:/opt/bitnami/mysql/bin:/opt/bitnami/letsencrypt/:/opt/bitnami/apache2/bin:/opt/bitnami/common/bin:/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin" ["USER"]=> string(6) "daemon" ["HOME"]=> string(9) "/usr/sbin" ["SCRIPT_NAME"]=> string(10) "/index.php" ["QUERY_STRING"]=> string(0) "" ["REQUEST_METHOD"]=> string(3) "GET" ["SERVER_PROTOCOL"]=> string(8) "HTTP/1.0" ["GATEWAY_INTERFACE"]=> string(7) "CGI/1.1" ["REDIRECT_URL"]=> string(49) "/instituto/idorolhar-critico-sobre-a-mortalidade/" ["REMOTE_PORT"]=> string(5) "53987" ["SCRIPT_FILENAME"]=> string(44) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs/index.php" ["SERVER_ADMIN"]=> string(15) "you@example.com" ["CONTEXT_DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["CONTEXT_PREFIX"]=> string(0) "" ["REQUEST_SCHEME"]=> string(4) "http" ["DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["REMOTE_ADDR"]=> string(13) "15.229.25.218" ["SERVER_PORT"]=> string(2) "80" ["SERVER_ADDR"]=> string(13) "172.26.13.183" ["SERVER_NAME"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SERVER_SIGNATURE"]=> string(0) "" ["LD_LIBRARY_PATH"]=> string(410) "/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/varnish/lib:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish/vmods:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/common/lib64" ["HTTP_ACCEPT_ENCODING"]=> string(7) "br,gzip" ["HTTP_VIA"]=> string(64) "1.1 6d327e3d2da66fac5e95b3d2d2e18852.cloudfront.net (CloudFront)" ["HTTP_X_AMZ_CF_ID"]=> string(56) "_c2uUwJyArkURObKnIGyTRQv7P7VOt0QCK85xCxDsN74Pvi6equQww==" ["HTTP_USER_AGENT"]=> string(17) "Amazon CloudFront" ["HTTP_X_AMZN_TRACE_ID"]=> string(40) "Root=1-62f3320e-1adea3c53624328976d075fd" ["HTTP_X_FORWARDED_PORT"]=> string(2) "80" ["HTTP_CONNECTION"]=> string(5) "close" ["HTTP_X_FORWARDED_PROTO"]=> string(4) "http" ["HTTP_X_FORWARDED_FOR"]=> string(43) "18.207.157.152, 64.252.69.62, 10.247.45.109" ["HTTP_X_REAL_IP"]=> string(13) "10.247.45.109" ["HTTP_X_FORWARDED_HOST"]=> string(25) "www.rededorsaoluiz.com.br" ["HTTP_HOST"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SCRIPT_URI"]=> string(69) "http://54.225.48.228/instituto/idorolhar-critico-sobre-a-mortalidade/" ["SCRIPT_URL"]=> string(49) "/instituto/idorolhar-critico-sobre-a-mortalidade/" ["REDIRECT_STATUS"]=> string(3) "200" ["REDIRECT_SCRIPT_URI"]=> string(69) "http://54.225.48.228/instituto/idorolhar-critico-sobre-a-mortalidade/" ["REDIRECT_SCRIPT_URL"]=> string(49) "/instituto/idorolhar-critico-sobre-a-mortalidade/" ["FCGI_ROLE"]=> string(9) "RESPONDER" ["PHP_SELF"]=> string(10) "/index.php" ["REQUEST_TIME_FLOAT"]=> float(1660105230.6146) ["REQUEST_TIME"]=> int(1660105230) }

Olhar crítico sobre a mortalidade

Olhar crítico sobre a mortalidade

Pesquisadores trabalham no desenvolvimento de metodologias para comparar dados sobre sepse e mortalidade hospitalar em diferentes países.

A sepse, também conhecida como infecção generalizada, é uma preocupação nas unidades de terapia intensiva (UTIs) do mundo inteiro: acomete, anualmente, 30 milhões de pessoas, das quais cerca de um quinto acaba morrendo. Mas o problema não atinge da mesma forma todos os países. Um estudo comparativo realizado em hospitais do Brasil e da Inglaterra mostrou que, apesar de os dois países apresentarem índices semelhantes de mortalidade hospitalar (41,4% e 39,3%, respectivamente), uma análise específica dos pacientes com sepse revela que o risco de morte por esse problema é maior entre os brasileiros.

O estudo integra o projeto Orchestra, que avalia a importância de fatores organizacionais no atendimento em terapia intensiva e é liderado pelo Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), e se une a um esforço internacional da comunidade científica para criar novas estratégias de combate à sepse e redução de seu impacto, em resposta ao alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS) que considerou a infecção generalizada uma prioridade global em saúde.

Publicado na revista Critical Care Medicine, o novo artigo tem como principal objetivo encontrar formas de comparar dados sobre sepse em diferentes países. Segundo o médico intensivista e pesquisador Jorge Salluh, um dos autores do estudo, o primeiro passo para permitir a criação de cooperações internacionais para a pesquisa no tema é a adoção de ferramentas capazes de traduzir os achados obtidos em cada país para uma linguagem mundial.

“Um hospital pode ter uma maior mortalidade por sepse simplesmente porque o perfil do paciente internado naquele centro é mais grave. Por outro lado, menor mortalidade nem sempre significa que as estratégias de controle e tratamento da sepse são eficazes naquela instituição”, explica o especialista.

Neste trabalho, os pesquisadores analisaram dados de quase 22,5 mil pacientes internados em mais de 220 UTIs durante o ano de 2013. O objetivo do estudo era analisar as taxas de mortalidade por sepse em pacientes críticos sob a luz do quadro clínico e das características do paciente. Para isso, levou-se em consideração fatores como idade, presença de outras doenças e gravidade dos sintomas, entre outros. “Nessa balança, pesa mais quem é o paciente com sepse do que o diagnóstico em si”, conclui Salluh.

Na amostra avaliada, os perfis dos pacientes internados por sepse eram bem diferentes entre os países: os brasileiros eram mais velhos, tinham mais comorbidades (isto é, complicações adicionais) e pior funcionalidade cotidiana, quando comparados aos ingleses. Por outro lado, na Inglaterra, a presença de pacientes com disfunções orgânicas múltiplas era maior do que no Brasil.

Ambos os países tinham como causa principal de internação a infecção respiratória, problema que levou à morte quatro em cada dez pacientes. No entanto, a hipótese do grupo de pesquisadores era que essa mortalidade não refletia a realidade dos dois lugares. Para tirar a prova, a análise estatística considerou características dos pacientes, como tipo e local da infecção, além do número de órgãos acometidos. Com esses ajustes, observou-se que a mortalidade por sepse era 40% maior no Brasil.

Para Salluh, os achados evidenciam que é preciso que a comunidade científica internacional passe a olhar e divulgar suas análises de mortalidade por sepse de uma nova maneira, sem ignorar o quadro clínico do paciente. O grupo discute, agora, alternativas de padronização das informações coletadas e armazenadas nas diferentes bases de dados de países como Brasil, Estados Unidos, Holanda, Austrália e outros que desenvolvem pesquisas na área.

?

15.10.2018

Conteúdo Relacionado