array(57) { ["SERVER_SOFTWARE"]=> string(6) "Apache" ["REQUEST_URI"]=> string(48) "/instituto/idorprojeto-de-ciencia-para-o-brasil/" ["PHP_PATH"]=> string(24) "/opt/bitnami/php/bin/php" ["FREETDSLOCALES"]=> string(0) "" ["FREETDSCONF"]=> string(0) "" ["OPENSSL_ENGINES"]=> string(31) "/opt/bitnami/common/lib/engines" ["OPENSSL_CONF"]=> string(39) "/opt/bitnami/common/openssl/openssl.cnf" ["SSL_CERT_FILE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["CURL_CA_BUNDLE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["LDAPCONF"]=> string(42) "/opt/bitnami/common/etc/openldap/ldap.conf" ["GS_LIB"]=> string(43) "/opt/bitnami/common/share/ghostscript/fonts" ["MAGICK_CODER_MODULE_PATH"]=> string(60) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/modules-Q16/coders" ["MAGICK_CONFIGURE_PATH"]=> string(73) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/config-Q16:/opt/bitnami/common/" ["MAGICK_HOME"]=> string(19) "/opt/bitnami/common" ["PATH"]=> string(260) "/opt/bitnami/apps/wordpress/bin:/opt/bitnami/varnish/bin:/opt/bitnami/sqlite/bin:/opt/bitnami/php/bin:/opt/bitnami/mysql/bin:/opt/bitnami/letsencrypt/:/opt/bitnami/apache2/bin:/opt/bitnami/common/bin:/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin" ["USER"]=> string(6) "daemon" ["HOME"]=> string(9) "/usr/sbin" ["SCRIPT_NAME"]=> string(10) "/index.php" ["QUERY_STRING"]=> string(0) "" ["REQUEST_METHOD"]=> string(3) "GET" ["SERVER_PROTOCOL"]=> string(8) "HTTP/1.0" ["GATEWAY_INTERFACE"]=> string(7) "CGI/1.1" ["REDIRECT_URL"]=> string(48) "/instituto/idorprojeto-de-ciencia-para-o-brasil/" ["REMOTE_PORT"]=> string(5) "43857" ["SCRIPT_FILENAME"]=> string(44) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs/index.php" ["SERVER_ADMIN"]=> string(15) "you@example.com" ["CONTEXT_DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["CONTEXT_PREFIX"]=> string(0) "" ["REQUEST_SCHEME"]=> string(4) "http" ["DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["REMOTE_ADDR"]=> string(13) "18.228.16.175" ["SERVER_PORT"]=> string(2) "80" ["SERVER_ADDR"]=> string(13) "172.26.13.183" ["SERVER_NAME"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SERVER_SIGNATURE"]=> string(0) "" ["LD_LIBRARY_PATH"]=> string(410) "/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/varnish/lib:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish/vmods:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/common/lib64" ["HTTP_ACCEPT_ENCODING"]=> string(7) "br,gzip" ["HTTP_VIA"]=> string(64) "1.1 613a9db04d23967014b7c42269dc1c12.cloudfront.net (CloudFront)" ["HTTP_X_AMZ_CF_ID"]=> string(56) "EuH--qG4Tup2DxNCJR9_5_tu7XmxNoU3GuN--tCdStt7RioOih73oA==" ["HTTP_USER_AGENT"]=> string(17) "Amazon CloudFront" ["HTTP_X_AMZN_TRACE_ID"]=> string(40) "Root=1-62fd9894-72c0a51a7cb6fba4199b8fef" ["HTTP_X_FORWARDED_PORT"]=> string(2) "80" ["HTTP_CONNECTION"]=> string(5) "close" ["HTTP_X_FORWARDED_PROTO"]=> string(4) "http" ["HTTP_X_FORWARDED_FOR"]=> string(40) "3.239.4.127, 64.252.67.93, 10.247.45.143" ["HTTP_X_REAL_IP"]=> string(13) "10.247.45.143" ["HTTP_X_FORWARDED_HOST"]=> string(25) "www.rededorsaoluiz.com.br" ["HTTP_HOST"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SCRIPT_URI"]=> string(68) "http://54.225.48.228/instituto/idorprojeto-de-ciencia-para-o-brasil/" ["SCRIPT_URL"]=> string(48) "/instituto/idorprojeto-de-ciencia-para-o-brasil/" ["REDIRECT_STATUS"]=> string(3) "200" ["REDIRECT_SCRIPT_URI"]=> string(68) "http://54.225.48.228/instituto/idorprojeto-de-ciencia-para-o-brasil/" ["REDIRECT_SCRIPT_URL"]=> string(48) "/instituto/idorprojeto-de-ciencia-para-o-brasil/" ["FCGI_ROLE"]=> string(9) "RESPONDER" ["PHP_SELF"]=> string(10) "/index.php" ["REQUEST_TIME_FLOAT"]=> float(1660786836.1808) ["REQUEST_TIME"]=> int(1660786836) }

Projeto de ciência para o Brasil

Projeto de ciência para o Brasil

Mais de 180 pesquisadores se reuniram para traçar prioridades e criar estratégias para a ciência brasileira em 16 grandes temas. Especialistas do Instituto D’Or contribuíram com o capítulo sobre cérebro.

Ciência básica; saúde; cérebro; ar, água e solo para a qualidade de vida; biodiversidade; ciências agrárias; mudanças climáticas; cidades sustentáveis e inteligentes; igualdade e inclusão social; energia; recursos minerais; recursos hídricos; ciências do mar; atividades espaciais; novas tecnologias; e inovação foram eleitos temas sobre os quais a comunidade científica brasileira precisa se debruçar. Depois de dois anos de trabalho envolvendo quase duas centenas de pesquisadores dos quatro cantos do país, a Academia Brasileira de Ciências (ABC) publicou um documento propositivo, com prioridades e estratégias para uma agenda nacional de pesquisa. Jorge Moll Neto, Roberto Lent e Stevens Rehen, pesquisadores do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), colaboraram com o capítulo sobre cérebro.

“É um livro voltado para o futuro, por duas razões. Primeiro, expõe o cenário atual da inovação tecnológica e da pesquisa em várias áreas do conhecimento, de forma acessível ao público leigo, motivando-o a um envolvimento maior com a ciência e a inovação; além disso, propõe políticas públicas para que o Brasil possa se beneficiar da fronteira do conhecimento”, afirma o presidente da ABC, Luiz Davidovich, na apresentação da obra. O trabalho foi coordenado pelo bioquímico Jerson Lima Silva, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e pelo ecólogo José Galizia Tundisi, do Instituto Internacional de Ecologia, ambos membros titulares da Academia. O livro completo está disponível para download gratuito na página da ABC.

No capítulo sobre neurociências, que contou ainda com a colaboração Esper Abrão Cavalheiro (Universidade Federal de São Paulo), Sidarta Ribeiro (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) e João Ricardo Sato (Universidade Federal do ABC), os autores sugerem que a área tem aplicações que vão da saúde – como a identificação de doenças psiquiátricas antes do aparecimento dos sintomas – às tecnologias de inteligência artificial.

“Diferentes estudos de neurociência preocupam-se não apenas em aumentar, de forma consistente, nosso conhecimento sobre a estrutura e o funcionamento do cérebro normal, mas também em desvendar os mecanismos associados a doenças neurológicas e psiquiátricas, como Alzheimer, Parkinson, depressão, esquizofrenia e muitas outras”, escrevem. “O grande interesse nessa área é compartilhado pelos profissionais e pesquisadores em saúde e também pelo setor industrial, para o qual apresenta importantes oportunidades de inovação. O interesse reside no fato de que conhecer melhor o sistema nervoso abre portas para interferir em seu desenvolvimento ou mau funcionamento, por exemplo, prevenindo doenças ou desacelerando o aparecimento de sintomas nocivos. Para além da abordagem médica, a neurociência traz também a possibilidade de um aproveitamento ótimo do cérebro humano na educação e em outras atividades, e da elaboração de dispositivos tecnológicos que pretendam mimetizá-lo”.

Como temas prioritários para esta área de pesquisa, os especialistas indicam a neurociência aplicada à educação, em particular as intervenções simples e de baixo custo que podem proporcionar um desenvolvimento cerebral mais saudável; os distúrbios neurodegenerativos e neuropsiquiátricos; e as neurotecnologias – área de interação entre a neurociência fundamental e aplicada e a indústria, incluindo temas como computação cognitiva, tecnologias de neuromodulação e softwares para análises de dados, entre outros. Sugerem, ainda, a formalização de uma “década do cérebro” (2020-2030), em que haveria políticas públicas específicas para o desenvolvimento das neurociências no Brasil.

“Durante esse período, será recomendável mobilizar os instrumentos de gestão e política científica do país para elaborar um conjunto de ações de fomento, educação e divulgação pública das neurociências, que permita alocar recursos de grande porte”, dizem os autores. “Em particular, será decisivo estimular interações com profissionais de comunicação, artes e ciências humanas, de modo a potencializar a disseminação da relevância da neurociência para a sociedade brasileira”.

?

?

16.11.2018

Conteúdo Relacionado