array(57) { ["SERVER_SOFTWARE"]=> string(6) "Apache" ["REQUEST_URI"]=> string(51) "/instituto/idorvarios-caminhos-para-a-neurociencia/" ["PHP_PATH"]=> string(24) "/opt/bitnami/php/bin/php" ["FREETDSLOCALES"]=> string(0) "" ["FREETDSCONF"]=> string(0) "" ["OPENSSL_ENGINES"]=> string(31) "/opt/bitnami/common/lib/engines" ["OPENSSL_CONF"]=> string(39) "/opt/bitnami/common/openssl/openssl.cnf" ["SSL_CERT_FILE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["CURL_CA_BUNDLE"]=> string(52) "/opt/bitnami/common/openssl/certs/curl-ca-bundle.crt" ["LDAPCONF"]=> string(42) "/opt/bitnami/common/etc/openldap/ldap.conf" ["GS_LIB"]=> string(43) "/opt/bitnami/common/share/ghostscript/fonts" ["MAGICK_CODER_MODULE_PATH"]=> string(60) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/modules-Q16/coders" ["MAGICK_CONFIGURE_PATH"]=> string(73) "/opt/bitnami/common/lib/ImageMagick-6.9.8/config-Q16:/opt/bitnami/common/" ["MAGICK_HOME"]=> string(19) "/opt/bitnami/common" ["PATH"]=> string(260) "/opt/bitnami/apps/wordpress/bin:/opt/bitnami/varnish/bin:/opt/bitnami/sqlite/bin:/opt/bitnami/php/bin:/opt/bitnami/mysql/bin:/opt/bitnami/letsencrypt/:/opt/bitnami/apache2/bin:/opt/bitnami/common/bin:/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin" ["USER"]=> string(6) "daemon" ["HOME"]=> string(9) "/usr/sbin" ["SCRIPT_NAME"]=> string(10) "/index.php" ["QUERY_STRING"]=> string(0) "" ["REQUEST_METHOD"]=> string(3) "GET" ["SERVER_PROTOCOL"]=> string(8) "HTTP/1.0" ["GATEWAY_INTERFACE"]=> string(7) "CGI/1.1" ["REDIRECT_URL"]=> string(51) "/instituto/idorvarios-caminhos-para-a-neurociencia/" ["REMOTE_PORT"]=> string(5) "15804" ["SCRIPT_FILENAME"]=> string(44) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs/index.php" ["SERVER_ADMIN"]=> string(15) "you@example.com" ["CONTEXT_DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["CONTEXT_PREFIX"]=> string(0) "" ["REQUEST_SCHEME"]=> string(4) "http" ["DOCUMENT_ROOT"]=> string(34) "/opt/bitnami/apps/wordpress/htdocs" ["REMOTE_ADDR"]=> string(13) "15.229.25.218" ["SERVER_PORT"]=> string(2) "80" ["SERVER_ADDR"]=> string(13) "172.26.13.183" ["SERVER_NAME"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SERVER_SIGNATURE"]=> string(0) "" ["LD_LIBRARY_PATH"]=> string(410) "/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/varnish/lib:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish:/opt/bitnami/varnish/lib/varnish/vmods:/opt/bitnami/sqlite/lib:/opt/bitnami/mysql/lib:/opt/bitnami/apache2/lib:/opt/bitnami/common/lib:/opt/bitnami/common/lib64" ["HTTP_ACCEPT_ENCODING"]=> string(7) "br,gzip" ["HTTP_VIA"]=> string(64) "1.1 165ed32c12154887fba331169c8022ee.cloudfront.net (CloudFront)" ["HTTP_X_AMZ_CF_ID"]=> string(56) "UrzrxqfYIjjaOMqtVqQQvEjr216RJeV1NKhiJhVtRQMDPewi2Ryr0w==" ["HTTP_USER_AGENT"]=> string(17) "Amazon CloudFront" ["HTTP_X_AMZN_TRACE_ID"]=> string(40) "Root=1-62f063d7-38e4c5654a807d485098b1ba" ["HTTP_X_FORWARDED_PORT"]=> string(2) "80" ["HTTP_CONNECTION"]=> string(5) "close" ["HTTP_X_FORWARDED_PROTO"]=> string(4) "http" ["HTTP_X_FORWARDED_FOR"]=> string(44) "44.197.230.180, 64.252.66.189, 10.247.44.157" ["HTTP_X_REAL_IP"]=> string(13) "10.247.44.157" ["HTTP_X_FORWARDED_HOST"]=> string(25) "www.rededorsaoluiz.com.br" ["HTTP_HOST"]=> string(13) "54.225.48.228" ["SCRIPT_URI"]=> string(71) "http://54.225.48.228/instituto/idorvarios-caminhos-para-a-neurociencia/" ["SCRIPT_URL"]=> string(51) "/instituto/idorvarios-caminhos-para-a-neurociencia/" ["REDIRECT_STATUS"]=> string(3) "200" ["REDIRECT_SCRIPT_URI"]=> string(71) "http://54.225.48.228/instituto/idorvarios-caminhos-para-a-neurociencia/" ["REDIRECT_SCRIPT_URL"]=> string(51) "/instituto/idorvarios-caminhos-para-a-neurociencia/" ["FCGI_ROLE"]=> string(9) "RESPONDER" ["PHP_SELF"]=> string(10) "/index.php" ["REQUEST_TIME_FLOAT"]=> float(1659921367.8627) ["REQUEST_TIME"]=> int(1659921367) }

Vários caminhos para a Neurociência

Vários caminhos para a Neurociência

Em evento online, pesquisador do IDOR tirou dúvidas de alunos do ensino médio com interesse em seguir a carreira científica

Na quarta-feira passada, dia 27 de maio, o IDOR participou pela segunda vez do Conexão Profissão, iniciativa do Ismart, Instituto Social para Motivar, Apoiar e Reconhecer Talentos entre adolescentes de baixa renda. O Conexão Profissão é um programa no qual alunos do ensino médio têm contato direto com especialistas atuantes em áreas ascendentes e de rápido retorno profissional. O evento oferece aos adolescentes um vislumbre do cotidiano e do mercado em suas áreas de interesse.

Na edição de 2018, o Instituto D’Or de pesquisa e Ensino (IDOR) recebeu alguns alunos de escolas públicas do Rio de Janeiro para mostrar o dia a dia de seus pesquisadores. Contudo, devido à pandemia de Covid-19, este ano o programa realizou videoconferências online entre os alunos e profissionais, o que também possibilitou que adolescentes de outros estados pudessem tirar com nossos pesquisadores todas as dúvidas que envolvem a escolha da primeira carreira.

O pesquisador convidado como representante da área da Neurociência foi Theo Marins, pós-doutorando e neurocientista do IDOR. Ele apresentou para alunos do segundo ano científico um pouco de sua rotina profissional e os caminhos que o fizeram escolher a profissão a partir da graduação em biomedicina. O pesquisador compartilhou também que a neurociência é uma área que valoriza os múltiplos pontos de vista, e por isso muitos de seus colegas vêm de outros campos, como medicina, biologia, economia e engenharia, o que significa que é uma profissão de acesso não-linear, e manter uma perspectiva aberta é essencial quando se é muito jovem e está adentrando uma carreira pela primeira vez.

Lucas Conti, do  Colégio Arquidiocesano, em São Paulo, tinha dúvidas sobre a liberdade de escolha dos temas de pesquisa de um neurocientista, assim como as práticas acadêmicas. Marins deixou claro que qualquer trabalho de pesquisa exige dedicação acadêmica, mas que o cotidiano de um pesquisador não é muito diferente de outras carreiras: ele terá reuniões, debates com colegas, supervisão de superiores, metas, etc; então, a motivação pessoal para escolher uma profissão deve ser levada em conta, junto com a viabilidade financeira e oferta de emprego no lugar onde se mora. Neste ponto, o pesquisador estimulou os alunos a buscarem os institutos de pesquisa de suas respectivas cidades, para que conhecessem os temas desenvolvidos e avaliassem, com o tempo, os seus maiores interesses.

João Pedro de Oliveira, de São José dos Campos, ficou satisfeito em descobrir que sua paixão por música poderia ser aproveitada na pesquisa: no IDOR, a neurocientista e musicista Julie Weingartner estuda os efeitos da música na memória, enquanto outros pesquisadores do instituto investigam benefícios do aroma do café para o cérebro, o sentimento de pertencimento entre torcedores de futebol, além de estudos voltados para a melhora da qualidade de vida de pacientes, como as pesquisas sobre alzheimer, Acidente Vascular Cerebral e doenças raras do cérebro. “O que todos os pesquisadores têm em comum é que eles são pessoas curiosas e com uma visão ‘fora da caixa’, eles estão abertos a explorar e buscar respostas para aquilo que ainda ninguém respondeu”, explicou Theo Marins.

O Ismart é um instituto privado e sem fins lucrativos que atua há 21 anos criando oportunidades de ascensão social através da educação. O instituto oferece bolsas de estudos para o ensino médio e apoia diversas carreiras na graduação. As inscrições para apoio do Ismart abrem periodicamente e é necessário que os alunos interessados em participar comprovem a renda familiar e realizem o processo seletivo da instituição. Conheça mais clicando aqui.

Escrito por Maria Eduarda Ledo de Abreu.

 

02.06.2020

Conteúdo Relacionado