O que é o risco cardiovascular?

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo e no Brasil não é diferente. Dos diversos tipos de problemas cardíacos, o mais comum é a aterosclerose. Nesta doença, uma placa de gordura é formada na parede de nossas artérias e à medida em que cresce, dificulta a passagem do sangue. Além disso, em determinadas circunstâncias, essa placa pode romper, formando um coágulo e uma obstrução completa e súbita do sangue.

As artérias mais acometidas são as coronárias (artérias do coração), que levam sangue para o músculo cardíaco, carótidas, cérebro e a aorta, a principal artéria que distribui sangue para todos os nossos órgãos. A formação da aterosclerose (placa de gordura) depende de vários fatores, sendo os principais: idade, fumo, pressão alta (hipertensão), diabetes (açúcar no sangue) , colesterol elevado (dislipidemia), obesidade e sedentarismo.

 

Quais são os sintomas?

A doença não tem sintomas nas fases iniciais, por isso é importante que você faça avaliação (check up) médico periódico para tratar os fatores de risco e identificar se já há aterosclerose em algum órgão. Nas fases mais avançadas, os sintomas dependem do órgão acometido:

– Coração (coronárias): dor no peito (angina), falta de ar (dispneia), desmaios (síncope) e palpitações. Os sintomas tendem a ser mais intensos em atividades que exijam esforço físico e aliviam com repouso;
– Cérebro (carótidas): perda de força ou de sensibilidade em uma parte do corpo, alterações na visão, tonturas, perda de equilíbrio, dificuldade para andar e mudanças de comportamento e
– Aorta: dores abdominais, dor nas pernas ao andar, cãibras, entre outros.

 

Quais são os riscos?

Os principais riscos são relacionados à obstrução completa e súbita da artéria. Na coronária, a mais comum, leva ao infarto fulminante, com dor no peito forte e em repouso, falta de ar e até o risco de parada cardíaca (morte súbita).

– Infarto agudo do miocárdio;
– Derrame (AVC, acidente vascular cerebral) e
– Aneurisma da aorta.

 

Exames Diagnósticos

Para prevenção:

– Medida da pressão arterial e
– Dosagem glicemia e perfil lipídico

Para diagnóstico:

– Eletrocardiograma;
– Ecocardiograma;
– Teste ergométrico;
– Cintilografia do miocárdio;
– AngioTomografia e
– Coronariografia (“cateterismo”)

 

Como é o tratamento do risco cardiovascular?

O tratamento é dividido em mudanças de hábito e medicações. Nas mudanças do estilo de vida, as mais importantes são:

– Dieta com menor teor de gordura e açúcar simples, e maior teor de fibras, castanhas/nozes (nuts), frutas e vegetais;
– Manter peso normal e
– Praticar atividade física regular.

Nas medicações, o médico irá avaliar seu caso e decidir, das opções abaixo, as mais adequadas para você. Ele irá avaliar o benefício do remédio e o risco de efeitos colaterais. 

As medicações mais usadas são:

– Ácido acetilsalicílico (AAS) e clopidogrel: medicações que reduzem o risco do sangue “entupir, obstruir” a artéria.

– Estatinas (sinvastatina, rosuvastatina, atorvastatina etc): redução do colesterol e do crescimento da placa de gordura. Esse último efeito ocorre mesmo se o seu colesterol for normal e causa redução no risco da placa obstruir e romper, diminuindo a chance de infarto e derrame. Marque a sua consulta.