Você está em Hospital São Marcos

Novidades

Relações entre pais e filhos na quarentena

08/06/2020

Pais e filhos estão sobrecarregados e suscetíveis a oscilações emocionais durante a quarentena. Para tornar esse momento mais leve e ajudar a cuidar das relações familiares, separamos algumas dicas práticas para o dia a dia, principalmente para os pais e os filhos em idade escolar. O Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) tem o projeto voluntário Estudando em Casa, com uma equipe de fonoaudiologia que ajuda os pais neste contexto complicado e trazem dicas valiosas. “Acreditamos que os pais são heróis nesta quarentena. Estão trabalhando e muito. Paralelo a isso, precisam ajudar os filhos nesta árdua tarefa que é acompanhar de perto o currículo escolar chegando até mesmo a ensinar a matéria nova, pois muitas crianças não conseguem acompanhar as aulas on-line, gravadas e tampouco em apostilas. As crianças são heróis duplamente porque a compreensão da importância da quarentena é muito mais difícil para eles, então paciência e carinho são fundamentais neste momento”.

 

Rotina

Todos em casa, inclusive as crianças, devem ter uma rotina: horários para acordar, dormir, estudar, fazer refeições e fazer outras atividades. Se tiver aulas online, acompanhe, nem que seja parcialmente, e ajude se houver tarefas. A rotina é muito importante, ajuda na organização e evita comportamentos de procrastinação. Esses horários podem ficar visíveis em lugares como porta da geladeira ou parede do quarto. Se a criança ainda não tiver sido alfabetizada, é um bom momento para que ela explore o desenho (como desenhar ela mesma acordando), o que pode ser feito também com a ajuda dos pais”.

Organização

É indicado que a criança estude em uma mesa, e que nela tenha somente o necessário para o estudo, como cadernos, livros e estojo. Utilize fones de ouvidos. Esteja em um ambiente calmo, sem muito barulho ou coisas que possam distraí-lo. Lembre-o de se alimentar e ir ao banheiro antes de começar a estudar.

Momento de estudar

Quando as aulas são ao vivo, não há como alterar o horário de aula, mas crianças que estão tendo aulas gravadas ou apenas apostilas, podem se beneficiar em utilizarem apenas um turno do dia para o estudo, deixando outro turno para lazer, passatempos e cuidados pessoais, por exemplo. O dia em que por algum motivo a criança não fez a tarefa ou não assistiu a aula, dê um tempo a ela e depois converse sobre o que aconteceu. Mas, deixe esse dia sem tarefa. Algumas vezes menos é mais.

E de brincar também

O brincar é muito importante. A criança também aprende muito enquanto brinca. Se os pais se dispuserem a brincar com seus filhos, melhor ainda. Isto fortalece o vínculo, direciona o aprendizado, relaxa e tranquila a todos. O descanso é fundamental. Em especial neste período de home office e de homeschooling. A dica é para que toda a família descanse. Este pode ser um momento em que se deitem e conversem com os filhos, sem nenhum tipo de cobrança para si mesmo e/ou para o filho. Estimule o brincar e atividades como desenhar e pitar e aproveite para diminuir o tempo nas telas: computadores, TV, celular e tablet.

Pausas

Outra dica é que as crianças após assistirem as aulas descansem um pouco, isto é, brinquem e depois voltem para fazer a tarefa. Este tempo de realizar a tarefa não deve passar de 30 minutos. Se a criança não terminou a tarefa deverá parar e brincar mais um pouco. Isto é fundamental para evitar o estresse e até mesmo sentimentos de desprazer pelo estudo. As crianças não estão na escola e embora a escola esteja na sua casa, não é a mesma coisa.  Elas estão em casa, tem suas responsabilidades, precisam fazer suas tarefas, contudo isto não quer dizer que tenha que fazer exatamente como se estivesse em horário escolar. Ela tem o dia todo para realização de suas atividades e pode fazê-las sem estresse.

Tarefas escolares

Muitas vezes os pais precisam ajudar os filhos nos deveres e trabalhos escolares, mas a criança também pode começar a ter autonomia em seus estudos, deixando para perguntar aos pais ou responsáveis só o que não conseguiu fazer sozinha. A criança também pode perguntar a um colega de sala para tirar a dúvida por whatsapp ou outros meios. Isto é importante para a manutenção da relação com outras pessoas e ver que às vezes sua dúvida também é a do colega. Outra dica é a criança anotar sua dúvida e enviar por e-mail, por exemplo, ao professor. Este feedback é fundamental para o educador. Se o responsável não tem facilidade com alguma matéria, pode também pedir ajuda para outra pessoa da família explicar, procurar vídeos sobre o assunto no youtube e ver filmes ou séries junto com os filhos que abordem a temática e facilitem o entendimento.

Casas separadas, rotinas iguais

Caso as aulas sejam gravadas e possam ser assistidas em qualquer momento do dia, é bom que os pais estabeleçam um horário único, pensando na dinâmica das duas casas, para manter a rotina. Então, por exemplo, se o horário estabelecido for de 13h às 15h, em ambas as casas o horário de estudos deverá ser o mesmo.

É fundamental que quaisquer combinados feitos com a criança devam ser mantidos nas duas residências, como número de pausas durante a aula e recursos disponíveis (ex: fone de ouvido, cadeira sem rodinhas).

E a reunião do trabalho?

Os pais devem esclarecer as responsabilidades de todos os integrantes da casa durante a quarentena para que as crianças entendam que todos precisam cumprir com suas obrigações. Pode-se utilizar recursos visuais, como um quadro de horários, mostrando em que momentos cada integrante precisa de privacidade e não pode ser interrompido.

Transparência

Crianças têm muitos medos, e o coronavírus agora é mais um deles. Mas não faça de conta que não tem nada acontecendo, pois, ao tentar enganar seu filho, você pode aumentar a ansiedade dele. Quando falar do coronavírus, transmita um clima de segurança e tranquilidade, de acordo com a idade da criança e de sua capacidade de entendimento. Para ajudar a tornar mais lúdica essa explicação, há dois materiais bem interessantes: o escritor Daniel Campos lançou e-book gratuito intitulado “Um vírus malvadão e as crianças poderosas“, destinado à crianças menores. Já a ONU disponibilizou um e-book e audiobook gratuito para crianças de 6 a 11 anos:  “Meu herói é você, como as crianças podem combater a COVID-19!

Mexa-se

Dependendo da idade, a criança deve ajudar nas tarefas domésticas, como arrumar, limpar, secar ou lavar. Além disso, não dá para ficar parado. Todos em casa devem fazer alguma atividade física, e já existem vários sites na internet com dicas de exercícios que podem ser feitos no quintal, na varanda, na sala – e eles podem até virar brincadeira. O importante é se mexer!

Mantenha contato

Para amenizar a sensação de confinamento durante a quarentena, a nova rotina das crianças pode e deve incluir suporte nas mídias sociais com amigos e familiares. O ideal é que os pais participem ou supervisionem essa atividade, que pode ser uma videochamada para o avô, uma reunião virtual entre os primos ou um bate-papo pelo Facetime com a madrinha.

Convivência saudável

A convivência entre pais e filhos nesse momento em que os nervos estão a flor da pele para as duas partes pode ser complicada. É interessante apostar nos elogios e palavras positivas. Procure sempre parabenizar seu filho, mesmo que por algo pequeno que ele tenha feito. Nesse momento, os pais estão sendo a maior fonte de exemplo para os filhos. Carinho e afeto são fundamentais. O bom diálogo entre pais e filhos é fundamental, principalmente em momentos de isolamento. É importante para as crianças entenderem que os pais também estão precisando fazer ajustes nesse momento e também passam por momentos de frustração. Vale lembrar que as cobranças excessivas, só aumentam a sensação de frustração e a ansiedade. Boas risadas e compreensão são ótimas formas de fazer com que esse momento tão difícil se torne mais leve.

Quando procurar ajuda?

A ajuda psicológica é válida quando os pais sentirem assoberbados de trabalho e estiverem sofrendo além da conta pela situação que estão vivendo. A irritabilidade, a diminuição da paciência com as pessoas que o cercam e a falta de interesse pelo que está acontecendo a sua volta são sinais importantes para a busca de ajuda especializada.

Nas crianças é importante observar desinteresse pelos colegas, pela escola (falta de interesse total pelo conteúdo que a escola está apresentando), sensação de não ser apto ou não ter condições de realizar as tarefas.

Importante: a mensagem que sempre devemos deixar é “vai passar!”

 

Fontes: Dr. Paulo Mattos, médico psiquiatra, pesquisador do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino

Projeto Escola em casa – Equipe de Fonoaudiologia do Instituto D’Or  de Pesquisa e Ensino: Anne Gabrielle CRFa 1/15.843, Betina Rezende CRFa 1/14.858, Maria Ester Borlido CRFa 1/1.871, Rejane Soares CRFa 1/9.544.

Acesse também: idor.org

neuropsicologia.net

Veja também